Geórgia: FMI lamenta mortes e danos

O Fundo Monetário Internacional declarou-se nesta segunda-feira muito preocupado com os recentes acontecimentos na Geórgia, em conflito com a Rússia, lamentando em comunicado as vidas perdidas e os danos econômicos.

AFP |

"A perda de vidas é trágica", diz a nota, acrescentando que "de uma outra parte, o dano econômico é lamentável para um país que trabalhou duro nos últimos anos para melhorar o bem-estar econômico de sua população", acrescentou a instituição multilateral.

Mais cedo, o analista da agência de classificação Standard and Poor's (SP), Trevor Cullinan, disse à AFP que "os investidores estrangeiros, que vêm desempenhando um papel importante no bom desempenho do país, poderiam se assustar" com o conflito, afastando-se do país.

Depois dos difíceis anos de transição e os confrontos que se seguiram a sua independência em 1991, a Geórgia atravessa um verdadeiro boom econômico.

Desde a "revolução das rosas" em 2003, o país é considerado um dos mais dinâmicos da extinta União Soviética e muitas reformas saudadas pelas instituições financeiras internacionais começam a dar seus frutos.

O crescimento superou os 10% em 2006 e 2007, e se espera que este ano fique em torno dos 8%.

A economia do país depende amplamente da agricultura, que representa 30% do Produto Interno Bruto (PIB), mas os setores industrial, da construção civil e das telecomunicações se desenvolvem.

Com uma localização ideal entre o mar Cáspio e o mar Negro, o país se impôs sobretudo como ponto de passagem obrigatório para transportar petróleo e gás da Ásia Central para a Europa evitando a Rússia e o Irã.

Desde a entrada em funcionamento em 2006 do oleoduto Baku-Tblisi-Ceyhan, a Geórgia está se convertendo em "plataforma regional de transporte de energia" apesar de não dispor de recursos próprios em hidrocarbonetos, destacou Cullinan.

O "BTC", com capacidade para transportar um milhão de barris de cru por dia até 2009, permitiu à Geórgia reduzir sua dependência energética da Rússia ao aumentar seu abastecimento com o óleo vindo do Azerbaijão.

ved/po/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG