Geórgia: casamento de príncipe e princesa sela união da família real

O casamento neste domingo de um príncipe e de uma princesa georgianos selaram a união de duas ramificações da família real que disputam o trono vago desde a anexação da Geórgia pela Rússia, no início do século XIX.

AFP |

Ante 3.000 convidados, entre eles o presidente georgiano Mikheïl Saakachvili, o príncipe David Bagrationi-Moukhraneli e a princesa Anna Bagrationi-Grouzinski disseram "sim "um ao outro na catedral de Tbilissi - uma palavra que revela a esperança dos partidários da monarquia de verem, um dia, um rei dirigindo o país.

O casamento de David, 32 anos, nascido na Espanha, e Anna, 31 anos, foi marcado pela discrição, o que contribui para atiçar ainda mais a curiosidade dos georgianos.

O canal de televisão Roustavi-2 divulgou trechos da cerimônia na catedral, mostrando Anna em seu longo vestido branco, ao lado de David, vestido num terno tradicional georgiano.

Atrás de centenas de convidados presentes tremulavam bandeiras georgianas, enquanto curisos se acotovelavam do lado de fora da igreja.

"Espero que este seja o dia mais feliz da minha vida", declarou a princesa, antes do casamento. O pai dela, Nougzar Bagrationi-Grouzinski, um diretor de teatro famoso em Tbilissi, destacou que "o mais importante é que este dia seja benéfico para o futuro da Geórgia'.

Alguns analistas políticos consideram que uma grande parte da população é crítica em relação ao sistema republicano adotado com a independência do país da União Soviética, em 1991; na opinião deles, o presidente tem muito poder nas próprias mãos.

"Numerosos georgianos estão decepcionados com a república presidencialista. Assim, a idéia de uma monarquia constitucional aparece, de repente, ganhando um apoio significativo na sociedade", comentou o analista Tornike Charachenidzé.

O patriarca da Igreja ortodoxa georgiana, Ilia II, é favorável ao restabelecimento da monarquia, apoiada por 40% de telespectadores, durante uma pesquisa por telefone realizada durante um programa de televisão.

A dinastia Bagrationi, que diz descender do rei bíblico Davi, dirigiu a Geórgia do século IX até o final do XIX, quando a Rússia imperial anexou o país de George XII.

A família real georgiana espalhou-se na Europa com a revolução bolchevique e a integração em 1921 da Geórgia, após um breve período de independência, até o advento, no ano seguinte, da União Soviética.

A partir daí, várias ramificações da famíla reivindicam o trono, mas os Moukhraneli e Grouzinski são considerados favoritos. O príncipe David nasceu na Espanha e não fala o idioma georgiano, mas vive em Tbilisi desde 2003 e possui dupla nacionalidade.

im-mm-sd-lm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG