O ex-senador americano George Mitchell, nomeado nesta quinta-feira enviado do governo de Barack Obama para o Oriente Médio, é reconhecido por seu talento de negociador, já posto em prática nessa região e, principalmente, na Irlanda do Norte.

A nomeação de Mitchell, de 75 anos, foi anunciada pela secretária de Estado Hillary Clinton, que assumiu o cargo hoje de manhã.

"Prometo fazer todos os esforços necessários para alcançar a paz e a estabilidade no Oriente Médio", declarou Mitchell, ao aceitar a nomeação.

Mitchell intermediou as negociações de paz no conflito norte-irlandês, que levou ao histórico acordo da Sexta-feira Santa, em 1998. Na época, era considerado um dos raros protagonistas desse processo de paz, beneficiando-se da confiança de todas as partes envolvidas.

Católico maronita, era, desde 1994, o conselheiro especial do presidente Bill Clinton para Assuntos Econômicos da Irlanda do Norte.

No livro "Making Peace", Mitchell relatou essa experiência, contando como os hábitos políticos locais durante as negociações colocaram seu talento de negociador à prova.

Em 2000, Mitchell foi encarregado de presidir a Comissão Internacional sobre o Oriente Médio, que levava seu nome, para encontrar meios de conseguir a paz entre palestinos e israelenses.

Em relatório divulgado em 2001, ele chamou as duas partes do conflito a adotarem medidas imediatas para pôr fim à violência, sem condições, mas as propostas não saíram do papel.

Caçula de cinco irmãos, George Mitchell nasceu em 20 de agosto de 1933, em Waterville, no estado do Maine (nordeste), em uma família católica de origem modesta, de pai irlandês e mãe libanesa.

Após trabalhar como caminhoneiro e vigia noturno para pagar os estudos de Direito, ele começou sua carreira como advogado, procurador e juiz. Depois, entrou para o Senado americano, onde permaneceu de 1980 a 1995. Dirigiu a maioria democrata no Senado de 1988 a 1994, nos governos George Bush pai e Bill Clinton.

Depois de abandonar a vida política, associou-se a um escritório de advogados e integrou os conselhos administrativos de vários grandes grupos, como o Walt Disney, de março de 2004 até final de dezembro de 2006.

bar/tt

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.