Geneticista britânico afirma que evolução humana está perto do fim

Londres, 7 out (EFE).- A evolução humana está próxima de seu fim por causa do decrescente número de mutações no DNA dos progenitores, o que está transformando a espécie em uma massa uniforme, declarou o geneticista Steve Jones, da University College London.

EFE |

O jornal britânico "The Times" publica hoje as conclusões deste pesquisador, que destaca principalmente o dano que a falta de pais de idade avançada está causando para a evolução humana.

Jones afirma que as mutações no esperma são mais suscetíveis na medida em que a idade do homem aumenta, especialmente a partir dos 35 anos.

Embora contaminações química e radioativa possam alterar o material genético, um dos fatores mais importantes para que as mutações aconteçam é a idade avançada dos homens, já que a divisão celular aumenta com o passar dos anos.

"Cada vez que há uma divisão celular, há uma oportunidade de erro, de mutação", diz o especialista.

Em um pai de 29 anos - a média de idade com a qual os homens têm filhos nos países ocidentais - acontecem cerca de 300 divisões celulares entre o esperma que lhe deu a vida e o que fornecerá para sua descendência.

No caso de um pai de 50 anos, no entanto, as divisões superam mil.

No Ocidente, os pais começam a procriar tarde e param muito cedo.

Por outro lado, segundo o jornal "The Daily Telegraph", metade dos pais em Camarões têm mais de 50 anos, enquanto este índice é de 20% no Paquistão e de 5% na França.

"De forma imprevista, diminuímos o ritmo de mutações (no Ocidente) por mudanças nos padrões reprodutivos", afirmou Jones.

O geneticista explica ainda que a mudança social humana afeta seu futuro genético, sobretudo pelos padrões de casamento e métodos contraceptivos.

Entretanto, não é apenas a idade que possui impacto negativo na evolução da espécie, mas também a seleção natural e a mudança genética aleatória.

Com a diminuição da taxa de mortalidade nos indivíduos jovens - nos países ocidentais, 98% das pessoas sobrevivem aos 20 anos -, a seleção natural se debilitou.

Além disso, as mudanças aleatórias também diminuíram, o que faz com que humanos sejam 10 mil vezes mais parecidos entre si do que deveriam ser normalmente com as regras do reino animal.

A agricultura permitiu a superpopulação do planeta - sem ela, não haveria nem meio milhão de pessoas no planeta -, o que faz com que não haja populações isoladas e todas estejam conectadas.

O isolamento permite que as mudanças aconteçam através das gerações, devido à pouca influência do mundo exterior, mas a mistura conduz à uniformidade. EFE vmg/wr/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG