General golpista começa a estudar participação em Executivo da Mauritânia

Nuakchott, 12 ago (EFE).- O presidente do autoproclamado Alto Conselho de Estado da Mauritânia, general Mohammed Ould Abdelaziz, começou hoje a sondar com diversos partidos políticos sua possível participação no Governo provisório que regerá o país até a realização de eleições.

EFE |

O vice-presidente da Aliança Popular Progressista (APP), El Khalil Ould Teyib, confirmou à Agência Efe que, na reunião que teve nesta terça-feira com o general Abdelaziz, este o comunicou da intenção de nomear um primeiro-ministro e ofereceu à legenda uma participação no novo Executivo.

"Rejeitamos categoricamente a proposta", disse Ould Teyib, que disse ter transmitido ao general a condenação da APP ao golpe de Estado e um pedido para que o presidente deposto Sidi Mohamed Ould Cheikh Abdallahi recupere seu cargo.

Segundo a "Agência Mauritana de Informação" ("AMI"), o presidente do Alto Conselho de Estado também recebeu hoje líderes de outros partidos políticos, a começar pelo líder da oposição, Ahmed Ould Daddah, presidente do Reagrupamento de Forças Democráticas (RFD), que defende o golde militar.

Abdelaziz se encontrou ainda com representantes do Partido Mauritano para a Unidade e a Mudança (Hatem), da União pela Democracia e o Progresso (UDP), do Partido Unionista Democrático Socialista e do Partido Republicano para a Democracia e a Renovação (PRDR).

As consultas iniciadas hoje pelo general também incluíram o Partida da Alternativa, a Frente Popular (FP) e o Partida do Centro Democrático, acrescentou o órgão oficial de imprensa do país. EFE mo/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG