plano de Uribe contra Chávez e Correa - Mundo - iG" /

General equatoriano nega relação com plano de Uribe contra Chávez e Correa

Quito, 9 jun (EFE).- O general reformado do Exército equatoriano Luis Aguas Narváez negou hoje qualquer relação com um suposto plano do presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, para assassinar os governantes do Equador, Rafael Correa, e da Venezuela, Hugo Chávez, denunciado por um membro da direção das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

EFE |

"O único geral de sobrenome 'Aguas' neste país sou eu. Sou equatoriano, Luis Aguas Narváez, ex-comandante do Exército", disse o militar, que liderou a Força Terrestre do Exército equatoriano durante o Governo do presidente Lúcio Gutiérrez (2003-2005).

Narváez rejeitou "profunda, categórica e energicamente" as acusações, realizadas pelo guerrilheiro Luciano Marín, conhecido como "Ivan Márquez", membro do Secretariado das Farc, que assinalou que Uribe planeja assassinar Chávez e Correa com o apoio da Casa Branca.

A informação, que não foi comentada até agora pelas autoridades equatorianas, apareceu em comunicado emitido por Ivan Márquez, divulgado hoje pela "Agência Bolivariana de Imprensa".

A nota assinala que, com o objetivo de matar Chávez, Uribe "infiltrou" na Venezuela mais de 100 paramilitares por meio do serviço de Inteligência do Departamento Administrativo de Segurança da Colômbia (DAS).

Além disso, afirma que o organismo de Inteligência colombiano está preparando comandos que enviará ao Equador para assassinar Correa, "em coordenação com um general reformado equatoriano, de sobrenome Águas".

O texto enviado por Márquez afirma ainda que são falsos os computadores apreendidos no acampamento do "número dois" da guerrilha, conhecido como "Raúl Reyes", e acusa o Governo colombiano de utilizar essa história para "ameaçar" os países vizinhos.

Em 15 de maio, a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) certificou que o conteúdo dos três computadores pessoais achados pelo Exército colombiano no acampamento de Raúl Reyes, bombardeado em 1º de março, no Equador, não foi alterado. EFE cho/gs

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG