Duas gêmeas idênticas britânicas foram diagnosticadas com leucemia com apenas duas semanas de intervalo. O drama das meninas Megan e Gracie Garwood, de 4 anos, começou em agosto de 2009.

Os pais das gêmeas, Emma e Mark, perceberam que Megan estava cansada e pálida.

A menina foi levada ao médico e encaminhada ao Hospital Geral de Colchester, na Inglaterra, onde o câncer foi detectado e o tratamento de quimioterapia iniciado.

"O médico olhou para ela e a encaminhou imediatamente para o hospital local em Colchester, onde vivíamos na época", disse a mãe das meninas. "Após apenas cinco minutos eles disseram que ela provavelmente tinha leucemia e Megan foi levada de ambulância. Foi absolutamente horrível."
Chances
Os médicos disseram a Emma e Mark que as chances de sua outra gêmea ter a doença eram pequenas. Mas, duas semanas depois, Gracie também foi diagnosticada.

"Gracie foi ao hospital para uma visita, uma semana depois que Megan foi internada, e não saiu pelas próximas nove semanas", disse Emma. "Durante todo o tratamento Gracie dizia 'Mamãe, eu vim apenas para visitar Megan'. Foi muito doloroso."
"Receber a notícia de que você tem três filhos e dois deles têm câncer é inimaginável", afirmou a mãe das meninas. "Você fica pensando o que fez para merecer isso."
As gêmeas ficaram internadas por várias semanas e Megan contraiu uma séria infecção nas costas, mas as duas já estão em casa desde novembro e voltaram à escola.

As meninas continuarão fazendo quimioterapia pelos próximos dois anos, com visitas semanais ao hospital.

Megan e Gracie receberam o prêmio Little Star (Pequena Estrela), da organização não-governamental britânica Cancer Research UK e da empresa TKMaxx, que pretende reconhecer os desafios de jovens e crianças que lutam contra o câncer.

Placenta
Segundo Vaskar Saha, professor de Oncologia Pediátrica da Cancer Research UK, há poucos casos de gêmeos em que ambos desenvolvem leucemia.

"Essa não é uma doença hereditária, mas pode acontecer quando gêmeos idênticos dividem a placenta", disse. "A célula da leucemia, que é originada no feto, pode ser transferida de um gêmeo para o outro."
Segundo ele, avanços médicos significam que 90% das crianças com leucemia na faixa etária de Megan e Gracie são tratadas com sucesso.

O câncer é a causa mais comum de morte por doença em crianças entre um e 14 anos de idade na Grã-Bretanha. Todos os anos, cerca de 1,5 mil crianças são diagnosticadas com a doença no país.

Nos anos 60, apenas um quarto das crianças com câncer sobrevivia, mas hoje cerca de três quartos delas se recuperam.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.