BRUXELAS - O secretário de Defesa americano, Robert Gates, admitiu hoje que os relatórios sobre abusos na prisão de Guantánamo, sem dúvida, foram um golpe que deixou em má situação os Estados Unidos. http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2008/06/13/corte_tomou_a_pior_decisao_da_historia_em_relacao_a_guantanamo_diz_mccain_1358872.htmlDecisão sobre Guantánamo foi a pior da história, diz McCain

Entretanto, ele não quis comentar a decisão da Suprema Corte que reconhece o direito dos detidos de ir aos tribunais federais , onde um juiz avaliará as razões para seu encarceramento.

Da sede da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) em Bruxelas, onde participou do Conselho de Ministros da Defesa aliados, Gates preferiu esperar a chegada dos relatórios mais detalhados a Washington sobre a decisão da corte americana, um grande revés para o Governo de George W. Bush.

"Disse freqüentemente, como o presidente e a secretária de Estado (Condoleezza Rice), que gostaríamos de fechar Guantánamo", falou Gates, quando perguntado sobre a sentença.

A decisão também estará aberta aos suspeitos dos atentados de 11 de setembro de 2001, que compareceram na semana passada pela primeira vez a um dos tribunais especiais antiterroristas criados em Guantánamo.

A sentença provavelmente provocará uma série de recursos nas Cortes Federais americanas e reativará alguns processos que juízes de menor categoria tinham paralisado, pendentes da decisão do Supremo.

Desde que 20 detidos chegaram, em janeiro de 2002, pela primeira vez às celas que inicialmente foram usadas para alojá-los em Guantánamo, a Corte Suprema se tornou o principal obstáculo à pretensão do governo de reter suspeitos de terrorismo de forma indefinida e sem dar explicações.

Mais de dois terços dos que passaram por esta prisão foram postos em condições desumanas, segundo um relatório publicado pela Human Rights Watch, o último a denunciar as condições nas quais se encontram 270 detidos.

Leia mais sobre: Guantánamo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.