Gates acha difícil aliados da Otan enviarem mais soldados ao Afeganistão

Washington, 31 out (EFE) - O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, se mostrou hoje cético com a possibilidade de os aliados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) aumentarem sua contribuição militar no Afeganistão.

EFE |

"É improvável que alcancemos contingentes significativamente maiores de nossos aliados", disse Gates aos jornalistas após assistir a uma cerimônia na Flórida na qual o general David Petraeus assumiu o comando central da operação bélica dos EUA no Iraque e no Afeganistão.

O chefe do Pentágono também destacou que os Estados Unidos tentarão enviar outros dez mil soldados a seu contingente no Afeganistão em 2009.

Os EUA têm cerca de 32 mil militares em solo afegão, os quais fazem parte de uma força de 60 mil soldados da Otan que participam dos esforços de estabilização.

Em suas declarações à imprensa, Gates insistiu em que, a longo prazo, a solução é entregar a responsabilidade às forças afegãs e acrescentou que seria "um terrível erro" considerar que o Afeganistão é uma guerra exclusivamente americana.

"Esta é uma guerra dos afegãos por seu próprio país e estamos ali para ajudá-los", disse.

Gates ressaltou que seria desejável "a mais rápida expansão possível das forças militares afegãs, porque é necessário que seja uma guerra afegã, não uma guerra americana, não uma guerra da Otan".

EFE ojl/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG