Gastos públicos de Blair, Brown e outros deputados são revelados pela 1ª vez

Londres, 4 abr (EFE).- O presidente da Câmara dos Comuns, Michael Martin, revelou hoje, pela primeira vez, detalhes das despesas a cargo do erário de importantes deputados como o primeiro-ministro, o trabalhista Gordon Brown, e seu antecessor, Tony Blair.

EFE |

Os números, referentes ao exercício de 2003-2004, foram divulgados após uma longa batalha da rede pública britânica "BBC" e ativistas defensores da liberdade de informação.

Martin, que queria manter esses dados em sigilo, publicou números de 12 relevantes parlamentares depois que as autoridades da Câmara dos Comuns decidissem não apelar contra uma decisão judicial do regulador do acesso à informação no Reino Unido, o chamado Escritório do Comissário de Informação, que defendeu a difusão.

Os deputados que representam uma circunscrição fora de Londres, onde está o Parlamento, podem cobrar diárias para cobrir os custos por dormir fora de casa, incluindo o aluguel de uma segunda casa ou as faturas de um hotel.

Esses parlamentares, além disso, podem reivindicar até 23 mil libras (mais de 30 mil euros) ao ano para fazer reformas em suas segundas casas.

Segundo os dados divulgados por Martin, Blair gastou entre 2003 e 2004, quando ocupava ainda a chefia do Governo, 15.490 libras (19.670 euros), incluindo o pagamento de juros hipotecários.

Brown, por sua vez, gastou no mesmo ano - quando ainda era ministro da Economia - 14.304 libras (18.166 euros) com despesas de limpeza, juros hipotecários e faturas do imposto municipal de sua segunda casa.

O ex-vice-primeiro-ministro John Prescott gastou pouco mais de 20 mil libras (25.400 euros), dos quais quatro mil libras (5.080 euros) foram gastos em comida.

Além disso, o erário custeou as quase 21.300 libras (27.050 euros) que o atual líder do Partido Conservador, David Cameron, dedicou a uma hipoteca.

Segundo a "BBC", não parece que nenhum dos 12 deputados, cujas contas tornaram-se públicas, tenham infringido as normas, embora a iniciativa apresente um novo olhar sobre as despesas dos parlamentares.

Um porta-voz do Escritório do Comissário de Informação se disse satisfeito pela decisão da Câmara dos Comuns e ressaltou que "esta informação é claramente um assunto de interesse público".

A atenção pública sobre as despesas dos deputados britânicos aumentou nos últimos meses após a polêmica do caso do deputado conservador Derek Conway.

Conway foi suspenso no início desse ano da Câmara dos Comuns por usar dinheiro do contribuinte para pagar um filho por um trabalho que não fazia em dependências parlamentares.

O próprio presidente dos Comuns está no olho do furacão após saber que sua esposa utilizou 4 mil libras (5.080 euros) do erário em táxis para suas idas às compras. EFE pa/fb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG