Ganhadora de Nobel da Paz pede enviado da ONU no Irã

Por Daniel Bases NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - Shirin Ebadi, iraniana ganhadora do Prêmio Nobel da Paz, pediu nesta quinta-feira ao secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-Moon, a indicação de um enviado especial para investigar abusos contra os direitos humanos no Irã.

Reuters |

Numa carta também assinada pelos grupos Federação Internacional pelos Direitos Humanos e Liga Iraniana pela Defesa dos Direitos Humanos, Ebadi pede a Ban o envio de alguém para investigar abusos que se seguiram às eleições presidenciais de junho.

Um porta-voz de Ban afirmou que a carta havia sido recebida pelo gabinete do secretário-geral. Ban está no momento numa missão em Mianmar, discutindo a possibilidade da libertação de presos políticos e da realização de eleições no país.

Segundo a carta, Ebadi, advogada especialista em direitos humanos, havia feito o pedido diretamente a Ban, por telefone, em 23 de junho, onze dias depois do pleito no Irã.

A Organização das Nações Unidas (ONU) havia divulgado a conversa telefônica, mas sem mencionar o pedido por um enviado especial.

Ebadi recebeu o Nobel da Paz em 2003, devido aos seus esforços para promover a democracia e os direitos humanos, em particular os direitos de mulheres e crianças.

As ações das forças de segurança iranianas contra manifestantes que questionavam o resultado eleitoral foram condenadas pelo Ocidente e por Ban. Autoridades iranianas sustentam que a votação foi limpa.

"Gostaríamos de reiterar o nosso chamado ao senhor para que seja nomeado um enviado para o Irã", diz a carta.

"Esse enviado se beneficiaria da sua autoridade nas relações com Teerã, uma autoridade que não é reconhecida nos grupos de direitos humanos do Irã e de fora, no contexto dessa repressão", declara o documento.

A disputa eleitoral de 12 de junho foi entre o atual presidente conservador, Mahmoud Ahmadinejad, e o mais moderado Mirhossein Mousavi.

Os protestos e os confrontos depois do anúncio do resultado favorável ao atual presidente deixaram, segundo a mídia oficial, 20 mortos.

Ebadi fez um chamado para que Ahmadinejad processe os que atiraram contra manifestantes e indenize as famílias das vítimas. Ela defende novas eleições, supervisionadas pela ONU.

(Reportagem adicional de Patrick Worsnip)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG