O gabinete de segurança israelense decidiu formalmente nesta sexta-feira prosseguir com a ofensiva militar na Faixa de Gaza, apesar do pedido de cessar-fogo da resolução aprovada pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Integrado por 12 ministros, o gabinete de segurança tomou a decisão durante uma reunião presidida pelo atual primeiro-ministro, Ehud Olmert, em Tel Aviv.

Antes, Olmert afirmou que os país prosseguiria com sua campanha militar em Gaza apesar da resolução aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU que pede um cessar-fogo imediato.

"Israel nunca aceitou que uma influência externa decida em seu direito de defender seus cidadãos. As IDF (Forças de Defesa de Israel) continuarão a operar para defender os cidadãos de Israel", afirma Olmert em um comunicado.

"Os disparos de mísseis desta manhã contra os cidadãos do sul apenas provam que a resolução da ONU não é prática e não será respeitada pelas organizações terroristas palestinas", acrescentou o premier israelense.

afp/fp/cn

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.