Gabão fecha fronteiras após morte de presidente

Dacar, 8 jun (EFE).- O Ministério da Defesa do Gabão anunciou hoje o fechamento das fronteiras terrestres, marítimas e aéreas do país, após a morte hoje em Barcelona do presidente, Omar Bongo, informou a rádio senegalesa RFM.

EFE |

Em comunicado divulgado em Libreville, capital do Gabão, o Ministério da Defesa gabonês - que é chefiado por Ali Bongo, filho do falecido governante - também anunciou que as Forças Armadas e de segurança serão espalhadas por todo o país.

A nota pede à população para "redobrar sua patriótica vigilância diante do difícil e doloroso momento que o Gabão atravessa".

Durante a madrugada de hoje, após a divulgação de notícias, depois desmentidas, de que Bongo havia morrido, as Forças Armadas gabonesas tomaram posições em locais estratégicos de algumas cidades do país.

Após a morte de Bongo, de 73 anos e o governante africano que há mais tempo estava no poder, desde 1967, a presidente do Senado gabonês, Rose Francine Rogombé, assumirá a Chefia do Estado interinamente, até as eleições que devem ser realizadas em até 45 dias, segundo a Constituição do país.

Segundo a "RFM", o Governo do Gabão decretou luto nacional de 30 dias, enquanto que as emissoras de televisão e rádio suspenderam sua programação habitual para divulgar música religiosa.

A rádio senegalesa também informou que, logo após o anúncio da morte de Bongo, os gaboneses invadiram os mercados da capital para comprar mantimentos e outros produtos básicos, por temor de uma crise no país. EFE st/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG