G8 demonstra boas intenções, mas promessas vagas" / G8 demonstra boas intenções, mas promessas vagas" /

G8 fez apenas o mínimo pela África, diz Annan

LONDRES - Os líderes do G8 demonstraram empenho mínimo pela África durante a cúpula desta semana e não devem recuar dos seus compromissos, disse na quinta-feira o ex-secretário-geral das Nações Unidas Kofi Annan. Editorial NYT: http://ultimosegundo.ig.com.br/new_york_times/2008/07/10/g8_demonstra_boas_intencoes_mas_promessas_vagas_1431953.htmlG8 demonstra boas intenções, mas promessas vagas

Reuters |

O grupo dos sete principais países industrializados mais a Rússia se manifestou a respeito de clima, ajuda humanitária, preços dos alimentos e comércio, mas fez escassos progressos, apenas reafirmando a promessa, feita em 2005, de dar à África 50 bilhões de dólares até 2010 --até agora 10 bilhões foram entregues.

O G8 também propõe a rápida conclusão da Rodada de Doha das negociações comerciais globais.

'Estamos pressionando [o G8] a honrar aquilo com que se comprometeram, inclusive a apresentar um cronograma que indique como vão implementar o que prometeram', disse Annan à Reuters por telefone da Suécia, onde passa férias.

'Que sentido faz um enorme salto nas promessas se eles não cumpriram o que prometeram em 2005', disse Annan, que fala em nome do Painel do Progresso da África, uma comissão que inclui o ex-premiê britânico Tony Blair, o músico Bob Geldof, o ex-presidente nigeriano Olusegun Obasanjo e o ex-diretor-gerente do FMI Michel Camdessus.

Na avaliação de Annan, 'se conseguirmos fazê-los entregar os 40 bilhões de dólares prometidos daqui até 2010, então teremos feito alguma coisa'.

Sobre a conclusão da Rodada Doha, ele acha que um acordo não é iminente, mas disse que um novo sistema comercial, mais justo, iria permitir que a África seja 'a próxima fronteira'.

'Eles preferem o comércio para sair da pobreza a viver de esmolas', disse.

O ganense defendeu que os líderes mundiais, e especialmente da África, apresentem uma solução para a crise política do Zimbábue, que na opinião dele está desestabilizando o sul do continente.

A cúpula do G8 condenou a reeleição do presidente Robert Mugabe, marcada por acusações de fraude e violência, e decidiu impor mais sanções ao seu governo.

'Alguns líderes do Zimbábue tendem a ver isso como um problema interno. É muito maior do que isso. É um problema regional. Criou milhões de refugiados, e tende a desestabilizar seus vizinhos. É importante que seja resolvido', declarou.

Aquecimento global

Annan também fez elogios à meta adotada pelo G8 de reduzir pela metade até 2050 as suas emissões de gases do efeito estufa, mas disse que qualquer futuro tratado climático precisa incluir o princípio de que 'o poluidor paga', algo que as nações ricas até agora relutam.

'Os pobres não têm nada a ver com a poluição, e são os que estão pagando mais caro. Pelo bem da justiça e da moralidade, os que poluem devem pagar. Deve haver um custo para os poluidores, e o dinheiro que recolhemos deles deve ser usado para ajudar os inocentes, os pobres que praticamente não têm nada a ver com isso.'

          Clique na imagem e veja o infográfico sobre o acordo climático do G8

Líderes do G8 plantam mudas antes de começar a reunião do dia

Leia mais sobre: Kofi Annan  - G8  - África

    Leia tudo sobre: g8kofi annanáfrica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG