G8 e emergentes fazem reunião sobre o clima em Paris

Os representantes das principais economias do planeta vão se encontrar quinta-feira em Paris para dois dias de discussões informais sobre a luta contra o aquecimento global, que terá na noite desta quarta-feira um anúncio importante dos Estados Unidos sobre o assunto.

AFP |

Depois de uma primeira reunião, em setembro de 2007 em Washington, seguida por um encontro de especialistas em janeiro no Havaí, a terceira edição dos "MEM" (Major Economies Meeting) deve ser dedicada às possibilidades de reduzir as emissões de gases de efeito estufa por setor de produção (cimento, siderurgia, eletricidade...), e através de transferências de tecnologia.

No entanto, o anúncio, que deve ser feito ainda hoje pela Casa Branca, poderá perturbar a pauta da reunião em Paris.

Os MEM, que reúnem o G8 (os oito países mais ricos) e as grandes economias emergentes, representam 80% das emissões mundiais de gases de efeito estufa.

Segundo a Casa Branca, o presidente George W. Bush se prepara para anunciar "uma meta realista" de redução das emissões americanas nos próximos 20 anos. Ele não deve, no entanto, entrar em detalhes sobre uma "proposta concreta", afirmou sua porta-voz.

Em Paris, o embaixador francês para o clima, Brice Lalonde, antecipou "um anúncio parcial, ligado às complexas negociações entre a presidência e o Senado" dos Estados Unidos.

Uma reunião bilateral entre França e Estados Unidos prevista para esta quarta-feira foi cancelada na última hora.

Os Estados Unidos são até hoje o único país industrializado a não ter ratificado o Protocolo de Kyoto, que impõe objetivos aos países desenvolvidos.

Para Phil Clapp, da ONG americana Pew Environment Trust, o presidente Bush "deve anunciar um objetivo de longo prazo, ratificado por um tratado, mas sem mecanismos para aplicá-lo". "Já temos uma ferramenta deste tipo: a convenção da ONU sobre as mudanças climáticas (UNFCCC), negociada há 15 anos por seu pai" George Bush, lembrou.

Em fevereiro, um alto representante da Casa Branca afirmou que seu país estava "disposto a assinar um acordo internacional de cumprimento obrigatório de redução das emissões, desde que todas as grandes economias façam o mesmo".

A Casa Branca quer publicar uma "declaração dos líderes" dos MEM "em ligação" com a cúpula do G8, em julho no Japão. Um comitê de redação foi, inclusive, criado no Havaí.

Considerado com desconfiança pela União Européia e os países emergentes, o fórum dos MEM é agora visto como um diálogo útil.

Entretanto, países como o Brasil, a China ou a Índia insistem em que a ONU segue sendo o único canal de negociações.

O Brasil participa dos MEM junto com China, Índia, África do Sul, México, Coréia do Sul, Indonésia, Austrália e os países do G8. Juntos, todos estes países representam 80% das emissões mundiais de gases de efeito estufa e 80% do consumo mundial de energia.

ach/yw/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG