reconhecer a independência das regiões separatistas georgianas da Ossétia do Sul e da Abkházia, informou o Departamento de Estado." / reconhecer a independência das regiões separatistas georgianas da Ossétia do Sul e da Abkházia, informou o Departamento de Estado." /

G7 condena Rússia por ter reconhecido independência de separatistas

WASHINGTON - Os sete países mais desenvolvidos do mundo (G7) condenaram, nesta quarta-feira, a decisão da Rússia de http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2008/08/26/russia_reconhece_independencia_da_ossetia_do_sul_e_da_abkhazia_1598591.htmlreconhecer a independência das regiões separatistas georgianas da Ossétia do Sul e da Abkházia, informou o Departamento de Estado.

EFE |

Em comunicado conjunto, os chanceleres de Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos afirmam que o reconhecimento da independência da Ossétia do Sul e da Abkházia por parte de Moscou "viola a integridade territorial e a soberania da Geórgia e é contrária às resoluções do Conselho de Segurança".

Na terça-feira, o presidente russo, Dmitri Medvedev, anunciou em um discurso televisionado que assinou os decretos sobre o reconhecimento da independência de ambas as regiões georgianas e pediu a outros Estados que sigam o exemplo e façam o mesmo.

Na opinião do G7, a decisão da Rússia "põe em dúvida seu compromisso com a paz e a segurança no Cáucaso".

Os países-membros do G7 consideram, além disso, que a Rússia violou o plano arquitetado pela França para tentar uma solução para o conflito, ao seguir ocupando áreas da Geórgia que deveria ter abandonado.

"Condenamos o uso excessiva da força militar na Geórgia e sua contínua ocupação de partes da Geórgia", diz o comunicado dos sete países mais desenvolvidos.

O G7 reiterou seu "forte e contínuo apoio" à soberania da Geórgia, "dentro de suas fronteiras internacionalmente reconhecidas".

No texto, os sete chanceleres reafirmaram seu "respeito e respaldo ao Governo democrático e legítimo da Geórgia", e assinalaram que perseguem "uma solução duradoura para o conflito".



Leia mais sobre: conflito no Cáucaso

    Leia tudo sobre: georgiageórgiaossétia do sul

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG