G20-Polícia de Londres prende 111 após violência durante cúpula

Por Michael Holden e Kate Holton LONDRES (Reuters) - A polícia prendeu 111 pessoas e deteve muitas outras após confrontos violentos em manifestações programadas para coincidir com a cúpula econômica do G20 em Londres, informaram policiais na quinta-feira.

Reuters |

Cerca de 85 pessoas foram presas na quarta-feira após repetidos confrontos com a polícia nas ruas estreitas do bairro financeiro de Londres no que os manifestantes chamaram de "Dia da Mentira Financeira".

A polícia também investiga como um homem morreu durante os confrontos.

Até o meio da tarde de quinta-feira, após duas batidas policiais em ocupações e duas manifestações menores em torno da Bolsa de Valores e do Banco da Inglaterra, o número total de prisões chegou a 111, disse a polícia.

Outros protestos foram registrados perto do local em que ocorre a cúpula na quinta-feira, onde cerca de 400 pessoas se reuniram na região leste de Londres para uma manifestação contra a pobreza, a guerra e o sistema financeiro.

Manifestantes seguravam faixas e bandeiras num protesto barulhento perto do ExCel Centre, onde os líderes das principais economias industrializadas e emergentes se reuniam para discutir sobre uma resposta à pior crise financeira do mundo desde os anos 1930.

Os manifestantes entoaram protestos contra as guerras no Iraque e no Afeganistão, contra o conflito na Etiópia e contra a crise econômica.

"Abolir todas as armas nucleares, sim, nós podemos", dizia uma das faixas. "Nós não pagaremos pela crise deles", lia-se em outra.

A segurança para a reunião dos líderes mundiais, que incluiu o presidente norte-americano, Barack Obama, foi reforçada. Muitas vias próximas ao centro de conferência foram bloqueadas e lanchas da polícia patrulhavam os canais próximos.

Na quarta-feira, um homem morreu na calçada perto do Banco da Inglaterra após aparentemente desmaiar, e a Comissão de Denúncias da Polícia Independente disse que investigaria as circunstâncias da morte.

O homem foi encontrado deitado no chão atrás de uma área de confronto entre a polícia e manifestantes. Uma fonte policial disse que provavelmente ele morreu em decorrência de problemas de saúde.

Um integrante da Polícia de Londres disse que a vítima chamava-se Ian Tomlinson, tinha 47 anos, morava em Londres e voltava para casa após o trabalho quando morreu.

Uma autópsia estava sendo feita a fim de estabelecer a causa da morte.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG