G20 examina pacotes que superam US$ um trilhão

O G20 discute nesta quinta-feira pacotes de estímulo econômico - por meio do FMI e do Banco Mundial - com valores que superam um trilhão de dólares, informaram fontes brasileiras vinculadas às negociações de Londres.

AFP |

Os pagamentos, por meio do Fundo Monetário Internacional (FMI), seriam feitos por quatro canais.

O primeiro é o de empréstimos bilaterais (que incluem os já anunciados recentemente pelo Japão de 100 bilhões de dólares e da UE no mesmo valor). Até a noite de quarta-feira, já haviam comprometidos 260 bilhões, segundo as fontes, que pediram anonimato.

O segundo canal de aportes do FMI seria o novo acordo de empréstimo (NAB, na sigla em inglês), que disponibilizaria um valor que ainda estava em discussão, com uma cifra entre 250 a 500 bilhões de dólares.

O terceiro canal via FMI consiste na ampliação dos direitos especiais de giro (SDR). Os Estados Unidos eram contrários inicialmente a esta fórmula, mas agora aceitariam uma ampliação dos SDR de US$ 100 a 250 bilhões.

O quarto canal do FMI é a emissão de obrigações no mercado, por um valor ainda indefinido, e esta seria uma das fórmulas preferenciais da China para dar sua contribuição à instituição multilateral.

O sistema do Banco Mundial (Bird) se uniria aos esforços por três caminhos.

O primeiro daria ao Bird a possibilidade de ampliar sua capacidade de empréstimo, em 100 bilhões de dólares durante três anos.

O Banco Mundial também estuda emitir "captações voluntarias" e acredita que existe espaço para receber deste modo US$ 250 bilhões.

Por fim, o IFC, organismo do Bird que atende ao setor privado, dará respaldo ao comércio exterior, por um valor que ainda oscila entre 50 e 250 bilhões de dólares.

"No melhor dos cenários possíveis, poderemos obter pacotes por um trilhão de dólares", afirmou uma fonte brasileira.

js/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG