alertou para o perigo que o furacão Gustav ainda pode representar à costa dos EUA." / Gustav perde força, mas ainda é ameaça, diz Bush - Mundo - iG" / alertou para o perigo que o furacão Gustav ainda pode representar à costa dos EUA." /

Furacão Gustav perde força, mas ainda é ameaça, diz Bush

MIAMI - O furacão Gustav, que chegou, nesta segunda-feira, à Louisiana (EUA), perdeu força quando seus ventos diminuíram de 175 km/h para 145 km/h ao se aproximar das cidades de Nova Iberia e Lafayette, na Louisiana, com ventos máximos e enfraqueceu para a categoria 1 na escala de intensidade Saffir-Simpson, que vai até 5. Mesmo assim, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2008/09/01/gustav_e_evento_serio_e_perigo_ainda_nao_passou_diz_bush_1612367.htmlalertou para o perigo que o furacão Gustav ainda pode representar à costa dos EUA.

Redação com agências internacionais |

O olho de "Gustav" tocou em terra na localidade litorânea de Cocodrie e a cidade de Nova Orleans foi atingida por ventos de mais de 120 km/h. A localidade litorânea de Cocodrie tem cerca de 300 habitantes e suas atividades principais são a pesca e o turismo. Muito perto fica uma das muitas refinarias de gás natural do litoral do Texas ao Alabama.

O NHC prevê que "Gustav" irá perdendo força rapidamente conforme entre em terra em direção ao oeste e alcançará o leste do Texas na madrugada de terça-feira.



O olho do furacão se aproximava às 12h (horário de Brasília) de hoje de Morgan City, informou o NHC em um boletim especial. Deslocava-se a 24 km/h para o noroeste e nesta trajetória se movimentará hoje ao longo do sul-centro do litoral da Louisiana, em direção do oeste do Estado.

"Gustav" estava às 12h (horário de Brasília) perto da latitude 29,6 graus norte e longitude 91,1 graus oeste, a 16 quilômetros ao sudeste de Morgan City, a 105 quilômetros ao sudeste de Lafayette e à mesma distância de Nova Orleans.

Está em vigor um aviso de furacão desde o leste do Texas até a fronteira entre Alabama e Mississipi, incluindo Nova Orleans e Lake Pontchartrain.

Crianças em hospital

Cerca de 70 crianças internadas no Hospital de Nova Orleans correm o risco de ser transferidas por causa da passagem do furacão Gustav, que nesta segunda-feira soprou ventos de 175 km/h na cidade e pode inundar as ruas.

Há 18 crianças internadas em estado grave, nove delas foram operadas e não devem sair ilesas dos fortes ventos e das tempestades para buscar refúgio em outro lugar.

Charlize Rougeou, uma bebê de 13 dias, sofreu uma operação no coração dia 26 de agosto. Agora, está conectada a vários aparelhos, com tubos dentro da boca, e seus pais fazem vigília no hospital aguardando a alta dos médicos.

Fuga do litoral

Quase 2 milhões de pessoas deixaram o litoral da Louisiana em uma das operações de retirada da história dos Estados Unidos, e somente 10 mil teriam ficado em Nova Orleans. Mais de 11 milhões de moradores de cinco Estados norte-americanos são ameaçados pelo Gustav.

Na noite de domingo, as ruas de Nova Orleans já estavam abandonadas, pois cerca de 95 por cento da população havia atendido aos desesperados apelos das autoridades para que fugissem.

Estima-se que 1,9 milhão de pessoas tenham abandonado as áreas costeiras. A polícia e a Guarda Nacional patrulham a cidade-fantasma, e um toque de recolher está em vigor para impedir saques.


Polícia patrulha ruas de Nova Orleans após toque de recolher / AFP

O Gustav também interfere na política. O Partido Republicano, que abre na segunda-feira a convenção que formalizará a candidatura de John McCain a presidente, substituiu a habitual pompa desses eventos por uma pauta mais enxuta.

Meteorologistas norte-americanos disseram que o Gustav tinha ventos de cerca de 175 quilômetros por hora, o que faz dele um furacão de Categoria 2 na escala Saffir-Simpson, que vai até 5.

Às 10h (horário de Brasília), o Gustav estava a 32 km a sudoeste de Port Fourchon, um centro-chave de suporte logístico para plataformas petrolíferas, e a cerca de 125 km a sudoeste de Nova Orleans.

Lembranças do Katrina

Em agosto de 2005, o furacão Katrina provocou uma onda de 8,5 metros, que destruiu partes das barragens em 29 de agosto de 2005, inundando toda a cidade e deixando alguns moradores ilhados durante dias em seus telhados, enquanto em outros pontos da cidade havia uma onda de saques.

Gustav deve levar até 305 milímetros de chuva a Louisiana, Mississippi, Arkansas e Texas, além de desencadear tornados isolados, segundo meteorologistas.

(*Com informações da agência Reuters)


Imagem de satélite mostra aproximação do Gustav / AFP

Veja também:

Leia mais sobre: Gustav

    Leia tudo sobre: euafuracãogustav

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG