O furacão Jimena, com ventos de 145 km/h, atingiu nesta quarta-feira a península da Baixa Califórnia Sul, no Pacífico mexicano, onde danificou casas, derrubou postes e inundou várias regiões.

AFP
Barco afunda no porto de San Carlos, Baja California, após passagem de Jimena
Barco afunda no porto de San Carlos, Baja California, após passagem de Jimena

"A maior parte do furacão já está em terra", na altura de Puerto San Carlos, no centro-sul da península da Baixa Califórnia, disse à AFP por telefone Mónica Jiménez, do Serviço Meteorológico Nacional (SMN).

Jimena tocou a terra como furacão da categoria 2 na escala Saffir-Simpson (até 5), mas logo depois perdeu força e passou à categoria 1, com ventos firmes de 145 km/h, segundo o Centro Nacional de Furacões (CNH), sediado em Miami.

De acordo com o último boletim do SMN, às 22H00 GMT o centro de Jimena estava sobre "a serra da Baixa Califórnia, 75 km a sudoeste de Mulege", se deslocando para o norte a 20 km/h.

Os especialistas estimam que o grosso do furacão seguirá pela costa da Baixa Califórnia, dominada por um conjunto de ilhas pouco habitadas e que já estão em alerta, antes de entrar definitivamente em terra, nas imediações do povoado de San José de Gracia.

Puerto San Carlos era atingido por intensa chuva e fortes ventos desde a noite de terça-feira, o que destruiu dezenas de casas, inundou ruas e interrompeu os serviços de energia, telefone e água potável, constatou a AFP.

Segundo Humberto Arias, delegado de San Carlos, "75% das residências foram afetadas".

O governo federal declarou na terça-feira o estado de emergência nos municípios de Los Cabos, La Paz (capital estadual) e Comondú, onde está Puerto San Carlos, o que permite a ativação dos mecanismos de "ajuda imediata" aos danificados pela passagem do furacão.

Leia mais sobre Jimena

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.