Segundo autoridades, cerca de 800 mil ficaram sem energia elétrica e mais de 700, desabrigados; furação segue em direção ao Haiti

A tempestade tropical Irene, que está na região de Porto Rico, ganhou força nesta segunda-feira e foi elevada à categoria de furacão, o primeiro da temporada no Oceano Atlântico.

O Irene, que segue para o Haiti e deve atingir a República Dominicana, também poderá chegar à Flórida e a outros Estados americanos, como Geórgia, Carolina do Norte e Carolina do Sul.

Estradas ficaram intrasitáveis depois de passagem do Irene por Porto Rico
AP
Estradas ficaram intrasitáveis depois de passagem do Irene por Porto Rico
A passagem da tempestade por Porto Rico trouxe ao país enchentes, transbordamento de rios, queda de árvores e corte do serviço de energia elétrica. Segundo o governador Luis Fortuño, há cerca de 800 mil pessoas sem energia elétrica e 770 desabrigados em centros governamentais.

Um total de dez estradas principais de Porto Rico está intransitável pela quantidade de água acumulada e queda de árvores e de postes de alta tensão. Além disso, mais de 100 mil casas estão sem receber água.

Fortuño afirmou que cinco rios transbordaram na zona leste, a mais castigada pela tempestade. O chefe do Executivo disse também que o Aeroporto de San Juan mantém a paralisação de operações desde a noite de domingo e todos os portos da ilha permanecem fechados.

O governo decretou folga para seus funcionários, enquanto a Universidade e todo o sistema educacional também permanecerão fechados nesta segunda-feira.

De acordo com o diretor do Serviço Nacional de Meteorologia de Porto Rico, Rafael Mojica, o Irene se transformou em furacão durante a noite, ao passar por Vega Baja, localidade do norte de Porto Rico.

O Irene tem ventos de velocidade de até 120 quilômetros por hora, segundo o Centro Nacional de Furacões nos Estados Unidos, o que o coloca acima do índice oficial de furacões.

Haiti

No Haiti, onde o furacão Irene deve chegar, centenas de milhares de pessoas no país ainda estão vivendo em barracas desde o terremoto de 2010. O país é particularmente vulnerável a chuvas pesadas que devem acompanhar o Irene.

Em junho, mais de 20 pessoas foram mortas por enchentes e deslizamentos de terras. Segundo autoridades, o tremor de 2010 matou cerca de 230 mil pessoas e deixou mais de 1 milhão de pessoas desabrigadas. De acordo com a Organização Internacional para Imigração, cerca de 634 mil haitianos ainda vivem em acampamentos. Outras estimativas afirmam que 375 mil pessoas ainda permanecem nestes acampamentos.

Imagem de satélite mostra furacão Irene a oeste de San Juan, em Porto Rico
AP
Imagem de satélite mostra furacão Irene a oeste de San Juan, em Porto Rico

*Com EFE e BBC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.