Furacão Ike castiga norte de Cuba, mas perde força

O furacão Ike castigou o nordeste de Cuba com onda gigantes, chuvas torrenciais e ventos de mais de 165 quilômetros por hora, mas perdeu força à medida em que segue avançando pela costa da ilha, sendo rebaixado para tempestade de categoria 2. Algumas das casas próximas da costa, de onde foram evacuadas 800 mil pessoas - entre elas 15 mil turistas -, tiveram perda total.

BBC Brasil |

A área próxima da cidade de Punta Lucrecia, no Estado de Holguin, a 800 quilômetros da capital, Havana, foi a primeira a ser atingida pelo olho do furacão, segundo informações do Instituto de Meteorologia de Cuba.

As autoridades estão preocupadas ainda com o impacto da passagem do furacão por Havana, já que a previsão é de que Ike atravesse todo o país. Além de ser a cidade mais populosa de Cuba, Havana abriga várias construções coloniais precárias e a passagem do furacão pela capital pode ser devastadora.

Há cerca de uma semana, os cubanos tiveram que enfrentar um outro furacão, Gustav, que danificou quase 100 mil casas na região oeste da ilha.

Segundo o chefe do serviço meteorológico cubano, Jose Rubiera, o país jamais havia sido atingido por dois furacões em espaço tão curto de tempo.

Rastro
Ike já causou muitos danos nas ilhas Turks e Caicos, Bahamas e Haiti, em seu caminho pelo Caribe.

As autoridades em Turks e Caicos estimam que 80% dos prédios foram danificados.

A passagem de Ike pelo Haiti, onde a destruição foi descrita como catastrófica, provocou mais de 50 mortes, a maioria crianças, na cidade de Cabaret, ao norte da capital, Porto Príncipe.

A primeira-ministra, Michele Pierre Louis, fez um apelo por ajuda internacional, principalmente no envio de helicópteros para resgatar as pessoas atingidas pelas enchentes, já que muitas delas estão no telhado de suas casas há vários dias para escapar dos alagamentos.

O furacão Ike é a quarta tempestade a atingir o país no período de um mês. Na semana passada, a passagem do furacão Hanna afetou 650 mil haitianos, segundo o órgão da Organização das Nações Unidas (ONU) para a infância, o Unicef. Pelo menos 500 pessoas morreram.

Além da passagem de Hanna, o país sofreu com o impacto do furacão Gustav, na última semana e Fay, há duas semanas.

Segundo o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos, o furacão Ike está se movendo na direção oeste a 20 quilômetros por hora e, em seu trajeto atual, poderia atingir a porção insular do Estado da Flórida até terça-feira.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG