Furacão Earl perde força e afasta banhistas, mas atrai surfistas

Tormenta perde intensidade ao chegar à costa leste dos EUA, mas fortes ondas atraem surfistas em busca de adrenalina

iG São Paulo |

AP
Surfista pega onda enquanto Furacão Earl se aproximava da costa leste dos EUA (02/09/2010)
O  Earl, cuja intensidade diminuiu e se tornou um furacão de categoria 2, levou chuvas e vendavais esta manhã para o litoral do sudeste da Virgínia, depois de afetar durante a noite a Carolina do Norte com chuvas, ventos e fortes ondas, sem deixar danos maiores. Apesar disso, autoridades advertiram que a tormenta causará ondas e correntezas perigosas nos dois próximos dias, condições que atraem surfistas em busca de aventuras.

A localidade de Hampton Roads, na Virgínia, experimentava nesta manhã ventos com força de tempestade tropical e as autoridades indicaram que poderia haver uma ressaca de 30 a 90 centímetros. Durante a madrugada começaram as chuvas em Virgínia Beach, Chesapeake e Norfolk.

Às 6h (horário de Brasília), o Earl girava com ventos de 170 km/h e seu centro estava a quase 140 quilômetros ao leste de Cabo Hatteras, com rumo ao nordeste, seguindo para o Canadá e deslocando-se a 29 km/h, segundo o Centro Nacional de Furacões.

Cerca de 100 mil pessoas foram retiradas na quinta-feira , das quais quase 50 mil turistas, dos condados de Dare e Currituck, na Carolina do Norte. O porta-voz de Currituck, Randall Edwards, disse que quase a metade das casas nos balneários estava alugada para o fim de semana longo que inclui o Dia do Trabalho americano.

Depois que o furacão afugentou turistas e residentes de Outer Banks, a longa linha de ilhas em frente ao litoral da Carolina do Norte atingidas por grandes ondas, as autoridades dos condados de Dare e Hyde informaram que não havia danos graves. No Condado Camden, na Carolina do Norte, foram registrados ventos de quase 50 km/h, mas não houve relatórios de inundações.

Autoridades locais do setor de emergências também disseram que não havia registro de vítimas. "Certamente as condições não são tão severas como poderiam ter sido", disse Sandy Sanderson, diretor de serviços de emergência no município de Dare.

O enfraquecimento progressivo está previsto durante as próximas 24 a 36 horas, mas o Earl deve continuar sendo um furacão grande ao se deslocar no sentido nordeste dos EUA, onde deve chegar na noite desta sexta-feira.

Por causa disso, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, estendeu nesta sexta-feira o estado de emergência federal ao Estado de Massachusetts. A declaração presidencial autoriza o uso de funcionários e fundos do Departamento de Segurança Nacional e da Agência Federal de Gestão de Emergências para a coordenação das tarefas de socorro se Earl causar danos no Estado.

As autoridades advertiram que a tormenta vai continuar causando ondas fortes e correntes perigosas ao longo de toda a costa leste dos EUA, pelo menos por dois dias mais enquanto se dirige rumo à Nova Inglaterra.

Em busca das grandes ondas

Enquanto turistas e moradores fugiram das regiões costeiras da Carolina do Norte para evitar os efeitos potencialmente do Earl, centenas de surfistas faziam fila na direção contrária.

Em Masonboro, uma ilha de recifes pouco desenvolvida perto de Wilmington, acessível apenas por barco, uma pequena armada chegou do continente com suas pranchas curtas e rostos bronzeados a caminho das grandes ondas causadas pela aproximação da tempestade.

Tempestades que seguem o caminho percorrido pelo Earl, mais ou menos paralelo à costa, podem ameaçar regiões de pequenas formações rochosas, como Cape Hatteras, na Carolina do Norte, onde uma retirada obrigatória foi decretada na quarta-feira. Mas eles também podem criar uma breve e rara temporada de surfe de classe mundial no Atlântico Norte, principalmente nas praias voltadas ao sul ou que, como Masonboro, estão protegidas por um recife.

“Isso é como o horário nobre” do surfe, disse Evan Barton, de 17 anos, surfista competitivo que cursa o ensino médio online para que possa começar o dia surfando às 8 horas. Barton, de cabelos descoloridos pelo sol e pele fora do alcance da proteção solar, pilotou um barco cheio de amigos de Masonboro à Wrightsville Beach.

*Com Reuters, EFE e New York Times

    Leia tudo sobre: furacãoearlatlânticoeua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG