Tamanho do texto

HOUSTON - O furacão Dolly, que se aproxima do litoral na fronteira entre o México e o Estados Unidos, passou para categoria dois, ganhando força ao se aproximar da terra, anunciou nesta quarta-feira o Centro Nacional de Furacões (NHC). Dolly é o segundo furacão da atual temporada.

Alimentando-se das águas quentes do golfo do México, o furacão tem ventos acima de 154 quilômetros por hora, o que lhe coloca na categoria 2 da escala Saffir-Simpson (que vai até 5).


Imagem de satélite mostra furacão perto da costa mexicana / Reuters

Está em vigor um alerta contra furacões em toda a costa sul do Texas, até a cidade de Corpus Christi.

Às 8h (hora de Brasília), o olho do furacão estava cerca de 90 quilômetros a leste de Brownsville, deslocando-se a cerca de 13 quilômetros por hora. Nesse ritmo, levará mais sete horas para atingir a região da fronteira entre EUA e México.

Mas os meteorologistas não prevêem impactos sobre o setor petrolífero do golfo do México, e refletindo isso o preço do petróleo atinge na quarta-feira seu menor valor em seis meses.

AP
No Texas, a população já começou a retirada com medo do furacão

O Centro Nacional de Furacões estima que Dolly provocará até 380 milímetros de chuvas no sul do Texas e nordeste do México nos próximos dias. Autoridades texanas temem transbordamentos das barragens que contêm o rio Grande, especialmente se o furacão provocar uma ressaca marítima que suba pela foz do rio.

As autoridades dizem que os diques funcionaram bem em condições semelhantes durante o furacão Beulah, em 1967, mas desde então se deterioraram.

Depois das devastadoras temporadas de 2004 e 2005, que inclui o violento furacão Katrina, os EUA foram relativamente poupados nos últimos dois anos, quando apenas um furacão (Humberto, novembro de 2007) atingiu suas costas.

Leia mais sobre furacão Dolly