Furacão Dolly atinge o Texas e pode causar enchente

Por Chris Baltimore HOUSTON (Reuters) - O furacão Dolly atingiu na quarta-feira a fronteira do Texas com o México, levando chuvas torrenciais e ventos de até 150 quilômetros por hora.

Reuters |

O primeiro lugar a ser atingido foi a ilha Padre do Sul, onde o vento arrancou telhados, dobrou palmeiras e deixou milhares de habitantes sem energia. Nas primeiras horas em terra, o furacão já provocou 300 milímetros de chuvas.

'Meu píer foi derrubado, o prejuízo até agora é de uns 50 mil dólares', contou Russell Stockton, que opera uma empresa que leva turistas para verem golfinhos.

Dolly chegou a essa ilha costeira como um furacão da categoria 2 na escala Saffir-Simpson (que vai até 5), mas rapidamente caiu para a categoria 1, segundo o Centro Nacional de Furacões (CNF).

'O principal dano desta tempestade provavelmente será a inundação no interior', disse John Nielsen-Gammon, climatologista oficial do governo texano e professor da universidade local A&M.

A tempestade não afetou a produção de petróleo no golfo do México, o que ajudou a cotação do produto a cair ao seu menor valor em seis meses, abaixo de 125 dólares.

A Marinha mexicana disse ter encontrado o corpo de um pescador que desaparecera na península do Yucatán (sudeste) quando Dolly passou por lá -- foi a única vítima até agora.

Estima-se que o furacão possa provocar chuvas de até 510 milímetros no sul do Texas e nordeste do México nos próximos dias. Soma-se a isso o temor de que a ressaca marítima suba pelo rio Grande (que delimita os dois países) e destrua diques, provocando inundações graves.

As autoridades dizem que as barragens do rio Grande já resistiram a uma situação semelhante na época do furacão Beulah, em 1967, mas se deterioraram muito desde então.

O Texas colocou 1.200 soldados da Guarda Nacional de prontidão e emitiu um alerta para 14 condados litorâneos. Há 250 ônibus preparados em San Antonio para retirar moradores do litoral, mas isso só deve acontecer se Dolly passar à categoria 3.

Este é o segundo furacão na temporada de 2008 no Atlântico Norte, que parece excepcionalmente ativa. Em média, a quarta tempestade tropical se forma por volta de 29 de agosto. Dolly, a quarta deste ano, se formou em 20 de julho.

(Reportagem adicional de Jim Forsyth em San Antonio, Michael Christie em Miami, Tomas Bravo em Matamoros, México, e Jose Cortazar em Cancun)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG