Furacão Bertha se fortalece e chega à categoria 3

Por Michael Christie MIAMI (Reuters) - Com mais força e velocidade que o previsto, o furacão Bertha se tornou na segunda-feira uma tempestade considerada importante sobre o Atlântico, com ventos regulares de pelo menos 185 quilômetros por hora, segundo meteorologistas dos Estados Unidos.

Reuters |

A tempestade, a segunda desta temporada a receber um nome, ruma no sentido oeste-noroeste, na direção da ilha de Bermuda.

O Centro Nacional de Furacões dos EUA o colocou na categoria 3 da escala Saffir-Simpson, que vai até 5.

'Uma curva gradual para noroeste, com uma redução na velocidade frontal é esperada nos próximos dois dias', disse o centro de furacões, em Miami.

Isso pode fazer o furacão passar perto da próspera colônia britânica de Bermuda, que é bem preparada para tempestades.

Os meteorologistas disseram que as condições na rota do Bertha não devem fazer com que ele ganhe mais força. Mas essa tempestade já provocou surpresas, e antecipar a rota e a força de furacões não é uma ciência exata.

Às 18h (hora de Brasília), o centro da tempestade estava 1.855 quilômetros a sudeste de Bermuda, deslocando-se para oeste-noroeste a 19 quilômetros por hora. Aparentemente, ele deve poupar o Caribe e as zonas produtoras de petróleo do golfo do México.

A temporada de furacões no Atlântico Norte começou em 1. de junho, e a meteorologia estima que ela será na média ou acima da média. Numa temporada média há 10 tempestades tropicais que recebem nome, sendo que seis chegam a furacão (ventos de pelo menos 119 quilômetros por hora).

A pior temporada já registrada foi a de 2005, com 28 tempestades, inclusive o furacão Katrina, que deixou 1.500 mortos nos EUA e devastou Nova Orleans.

Bertha se formou na quinta-feira passada perto de Cabo Verde (África). Normalmente, nesta época as tempestades não se formam tão a leste, o que normalmente é sinal de uma temporada muito ativa.

Mais informações sobre o furacão podem ser consultadas, em inglês, no site do Centro Nacional de Furacões dos EUA (http://www.nhc.noaa.gov/#BERTHA).

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG