Fundador do WikiLeaks arrecadou metade da fiança, diz advogado

Tribunal decidirá na quinta-feira sobre um recurso da Suécia que tenta impedir libertação de Julian Assange

iG São Paulo |

O advogado de Julian Assange, fundador do site WikiLeaks, disse nesta quarta-feira que seus apoiadores já arrecadaram metade da fiança de 240 mil libras (cerca de R$ 640 mil) estipulada por um juiz britânico para que ele aguarde em liberdade o processo que pode levar à sua extradição para a Suécia, onde é acusado de crimes sexuais.

Um tribunal decidirá na quinta-feira sobre um recurso da Suécia que tenta impedir a concessão de liberdade a Assange sob fiança.

Na audiência, o advogado de Assange, Mark Stephens, deve apresentar 200 mil libras em dinheiro. As outras 40 mil libras devem ser pagas em duas parcelas de 20 mil cada.

Personalidades como o cineasta norte-americano Michael Moore, o jornalista australiano John Pilger e o escritor britânico Hanif Kureishi já manifestaram apoio a Assange e se ofereceram para pagar parte do valor. O advogado afirmou que pessoas comuns também pediram para contribuir com o pagamento da fiança.

Assange, que tem irritado os EUA e outros países por causa da divulgação de milhares de comunicações diplomáticas secretas, poderá ser libertado na audiência na quinta-feira à noite. Ele nega a acusação de crimes sexuais, que diz ter motivação política.

Caso a apelação da Suécia não seja aceita, o australiano de 39 anos deve aguardar em liberdade até a próxima audiência do caso, marcada para 11 de janeiro. Como condição para a libertação, seu passaporte será confiscado e ele será monitorado eletronicamente, devendo permanecer em sua residência todos os dias entre 22h e 02h e entre 10h e 16h.

Na corte em Londres, a advogada Gemma Lindfield, atuando em nome da polícia sueca, disse que uma das supostas vítimas acusa Assange de tê-la forçado a fazer sexo com ele sem camisinha.

A mesma mulher acusa Assange de, alguns dias após o incidente, tê-la molestado de forma a "violar sua integridade sexual". Uma segunda mulher acusa Assange de ter feito sexo com ela, também sem preservativo, enquanto ela dormia, em Estocolmo.

Na Suécia, esse tipo de crime pode levar a condenações de até seis anos de prisão. Assange ficou preso por uma semana após se entregar para a polícia britânica.

Com Reuters

    Leia tudo sobre: wikileaksjulian assangeeuadocumentos diplomáticos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG