Funcionário iraniano da embaixada britânica em Teerã será processado

LONDRES - Um funcionário da Embaixada do Reino Unido em Teerã foi acusado de atentar contra a segurança nacional do Irã, informou a BBC, neste sábado. A fonte citada foi o advogado do empregado diplomático.

EFE |

O Ministério de Assuntos Exteriores britânico está investigando a informação de que o funcionário, um dos membros do pessoal local da embaixada detidos pelo suposto envolvimento nas recentes manifestações nas ruas de Teerã, será processado em breve.

O titular do Foreign Office, David Miliband, disse na sexta-feira que queria tratar o tema urgentemente com seu colega iraniano, depois que um importante clérigo iraniano anunciou que levaria alguns dos detidos aos tribunais.

O aiatolá Ahmad Jannati, que lidera o poderoso Conselho de Guardiães, disse, durante um sermão, que os funcionários iranianos da embaixada britânica tinham confessado, mas não explicou quantos seriam processados, nem do que eram acusados.

O jornal "The Guardian" informou, neste sábado, que o diretor do departamento de análises políticas da embaixada, um iraniano de 44 anos, que foi acusado de atuar contra a segurança nacional, está detido na capital.

O advogado do funcionário, Abdolsamad Khorramashahi, disse ao jornal que "parece que vão julgá-lo. Já preparamos e apresentamos os documentos da defesa e eu verei o juiz na próxima semana".

O ministro de Exteriores britânico disse que seu governo "tomou nota das declarações do aiatolá Jannati, nas quais sugeria que nosso pessoal local pode ser submetido a julgamento".

"Solicitamos um esclarecimento urgente das autoridades iranianas competentes. Quero falar com o ministro de Relações Exteriores (iraniano, Manouchehr) Mottaki", disse Miliband.

"Estamos convencidos de que nosso pessoal não teve nenhum comportamento impróprio ou ilegal. Estamos muito preocupados com os dois membros de nossa equipe que continuam detidos".

O governo de Londres quer que os países europeus retirem seus embaixadores no Irã em protesto contra as detenções, mas ainda não foi decidida uma ação comum.

O ministro das Relações Exteriores da Suécia, Carl Bildt, cujo país está atualmente na presidência rotativa da UE, presidirá uma próxima reunião de titulares desse departamento para discutir possíveis sanções contra o regime de Teerã, que poderiam incluir a negação de vistos de entrada a seus altos funcionários.


Leia mais sobre Irã

    Leia tudo sobre: aiatolágrã-bretanhairãprisãoteerã

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG