Funcionário do metrô londrino é pop star no Afeganistão

O funcionário do setor de controle de qualidade do metrô de Londres Latif Nangarharay trabalha oito por horas por dia para garantir que os trens circulem no horário, que as estações sejam mantidas limpas e que os passageiros tenham jornadas agradáveis. Mas o que os milhares de usuários do metro não imaginam é que, no seu país de origem - o Afeganistão - Nangarharay é uma sensação musical e seus sucessos são tocados regularmente no rádio e TV locais.

BBC Brasil |

Suas letras inspiram muitos afegãos. Segundo os fãs do cantor, elas oferecem esperança para um país destruído por 30 anos de guerra e ajudam o povo a não perder a fé.

A mensagem de Nangarharay é pessoal: há dez anos, ele fugiu do Talebã e procurou refúgio em Londres.

Aos 28 anos, ele se considera um filho da guerra e entende exatamente o que seus compatriotas sentem.

Suas canções são inspiradas pela história do Afeganistão, dsse Nangarharay à BBC. Elas falam de um passado e um presente violentos.

"Como muitos outros, eu deixei meu país e perdi membros da família, então canto. Odeio qualquer um que destrua ou mate afegãos", disse. "Então digo aos que são iludidos e levados a fazer ataques suicidas, matando crianças de escola, que esse não é o momento de apertar o gatilho".

O mais recente lançamento de Nangarharay - intitulado Afeganistão - é sucesso no momento nas rádios e na TV do país.

"Esta canção me faz ter raiva dos que matam com armas", disse um morador de Cabul, Mohammad Gul. "As pessoas estão cansadas da guerra".

"Eu peço aos que explodem escolas, matam pessoas e fazem ataques que não se deixem iludir pelos que os levam ao caminho errado. Não matem, não matem seus irmãos".

Música
Não é por acaso que as canções de Nangarharay vêm alcançando grandes vendagens em um país onde o entretenimento se resume a filmes e canções indianos.

Música sempre teve um papel importante na identidade cultural do Afeganistão, ajudando a manter a unidade em um país de grande diversidade étnica até a década de 1990, quando o Talebã tomou o controle e proibiu todo tipo de música.

As canções de Nangarharay fizeram dele uma das mais assistidas, ouvidas e comentadas personalidades do Afeganistão - e entre milhões de afegãos espalhados por todo o mundo.

Cerca de três mil pessoas foram a um concerto que ele fez recentemente na Austrália - sinal de sua crescente popularidade também fora de seu país natal.

Uma das canções de Nangarharay, composta em parceria com o renomado poeta da etnia pashtu Babarzai, fala do bombardeio, pelos americanos, de uma festa de casamento na província de Nangarhar, no leste do país.

Segundo dados do governo, entre as vítimas estavam 45 mulheres e crianças e dois homens.

Diante de tragédias como essa, fica difícil convencer jovens afegãos de que a vingança e a violência não são a solução.

Mas para o vendedor de frutas Mohammad Musafir, música e poesia talvez possam vencer onde as bombas fracassaram.

"Eu gosto da música (de Nangarharay). Ele tem uma mensagem de paz. O povo gosta de música e ouve o que ele diz. Você rpecisa trazer a paz com palavras belas, não com armas e tanques".

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG