Funcionária de rede de prostituição usada por ex-governador de N.York depõe

Nova York, 25 ago (EFE) - Uma funcionária da rede de prostituição usada pelo ex-governador de Nova York Eliot Spitzer se declarou hoje culpada de ter participado desse negócio ilegal, informou a Procuradoria federal do Distrito Sul de Nova York.

EFE |

Tanya Hollander, de 36 anos, aceitou as acusações de conspiração para promover, dirigir e continuar um negócio ilegal de prostituição que pesavam contra ela por ter participado de uma rede internacional chamada Emperors Club VIP, que colocava em contato seus clientes com garotas de programa de luxo.

O ex-governador de Nova York Eliot Spitzer renunciou em 12 de março, após ser identificado como o "cliente número 9" desta rede de prostituição, depois de uma investigação iniciada em 2007 ao ser descoberta uma série de transações bancárias suspeitas.

Em seu depoimento perante a Corte federal de Manhattan, Hollander admitiu que, logo após começar a trabalhar no clube, "tornou-se evidente" que o negócio no qual colaborava realizava atividades contrárias à lei.

Segundo a Promotoria, em comunicado, a acusada explicou que seu trabalho na empresa, na qual trabalhou de maio de 2007 até março de 2008, consistia em receber ligações telefônicas de clientes e marcar encontros com diferentes prostitutas em vários lugares dos Estados Unidos e da Europa.

Deste modo, a funcionária admitiu ter violado a lei federal que proíbe atravessar as fronteiras de um estado para realizar um negócio ilícito, pelo que enfrenta uma pena máxima de cinco anos de prisão.

A detida era a última dos quatro funcionários da rede detidos em março que restava depor e que, da mesma forma que eles, se declarou culpada.

Os outros três processados -o encarregado do clube, de 62 anos, sua namorada e administradora do negócio, de 23, e a pessoa que fazia as reservas- também são acusados de várias acusações de lavagem de dinheiro.

Todos eles esperam a sentença do juiz, que será divulgada em 25 de novembro. EFE atc/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG