Fumo passivo mata 600 mil por ano, diz OMS

Dois terços dessas mortes ocorrem na África e no sul da Ásia

Reuters |

Cerca de 1% das mortes mundiais se devem ao tabagismo passivo, o que significa estimados 600 mil óbitos anuais, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta sexta-feira (26/11).

No primeiro estudo mundial já feito sobre isso, os especialistas da OMS concluíram que as crianças são mais expostas ao fumo passivo do que qualquer outra faixa etária, e que cerca de 165 mil delas morrem por causa disso.

Reuters
Fumo passivo: crianças são as mais expostas
"Dois terços dessas mortes ocorrem na África e no sul da Ásia", escreveu a equipe liderada por Annette Pruss-Ustun.

A exposição das crianças à fumaça de cigarros é mais comum dentro de casa, e o problema é agravado pela maior incidência de doenças infecciosas nessas regiões.

Em comentário sobre o estudo na revista Lancet, Heather Wipfli e Jonathan Samet, da Universidade do Sul da Califórnia, disseram que as autoridades deveriam tentar motivar as famílias a pararem de fumar dentro de casa.

"Em alguns países, lares livres de fumaça estão se tornando a norma, mas isso está longe de ser universal", escreveram.

Os pesquisadores examinaram dados de 192 países, colhidos desde 2004, e empregaram um modelo matemático para estimar o número de mortes e o número de anos de vida saudável que são desperdiçados.

Em 2004, em nível mundial, estavam expostos ao fumo passivo 40 por cento das crianças, 33% dos homens não-fumantes e 35 por cento das mulheres não-fumantes.

Isso teria provocado 379 mil mortes por doenças cardíacas, 165 mil por infecções respiratórias, 36,9 mil de asma e 21,4 mil de câncer de pulmão. A isso se somam 5,1 milhões de mortes anuais atribuídas ao uso direto do tabaco.

Entre crianças, as mortes pelo fumo passivo se concentram nos países de baixa e média renda. Entre adultos, elas se distribuem de forma mais homogênea.

Nos países mais ricos da Europa, por exemplo, foram registradas apenas 71 mortes infantis por causa do fumo passivo, e 35.388 mortes de adultos. Na África, foram 43.375 mortes infantis e 9.514 adultas.

Pruss-Ustun defendeu que os países cumpram a Convenção-Quadro da OMS para o Controle do Tabaco, que inclui maior taxação sobre cigarros, embalagens menos atraentes, proibição da publicidade e outras medidas.

Só 7,4% da população mundial vive em áreas com leis rígidas contra o fumo, mas nem sempre elas são suficientemente fiscalizadas.

* Por Kate Kelland

    Leia tudo sobre: MUNDOGERALFUMOPASSIVO

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG