Fumaça leva à retirada de trabalhadores na usina de Fukushima

Segundo TV japonesa, cor escura da fumaça significa que não se trata de vapor d'água

EFE |

Os operários que trabalhavam no reator 3 da usina nuclear de Fukushima Daiichi foram retirados da região nesta quarta-feira por causa de uma fumaça preta que começou a sair da unidade, uma das mais afetadas pelas recentes explosões.

De acordo com uma autoridade da Agência de Segurança Nuclear e Industrial, o índice de radiação na usina nuclear estava a 435 microsieverts duas horas antes de fumaça emergir do reator 3, mas caiu para 283,7 microsieverts depois que a fumaça foi vista. As duas medidas estavam excepcionalmente altas em comparação com os índices dos últimos dias. A usina foi danificada pelo terremoto e tsunami do dia 11 de março.

AP
Fumaça é vista saindo de reator 3 de usina nuclear de Fukushima, Japão
Por volta das 16h30 locais (4h30 de Brasília), uma espessa fumaça preta foi vista saindo do danificado reator 3 da usina, sem que se conheça a sua origem, indicou a Tokyo Electric Power Company (Tepco), a operadora da central.

Essa é a segunda vez em dois dias em que é observada fumaça escura saindo do reator 3, o que indica, segundo os especialistas consultados pela cadeia "NHK", que não se trata de vapor d'água.

A unidade 3 é uma das mais perigosas, porque funciona com uma mistura de urânio e plutônio. Na noite de terça-feira, os operários da central conseguiram restabelecer a eletricidade do painel de controle da unidade, o que permitiria iniciar algumas funções internas e medir a temperatura e a pressão da instalação.

O vazamento na usina fez com que autoridades em Tóquio afirmassem nesta quarta-feira que os níveis de radiação da água das torneiras da cidade a deixam imprópria para o consumo por bebês . O nível de iodo radioativo em algumas áreas é de mais do que o dobro do nível considerado seguro.

Por causa do aumento de radiação, O primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, solicitou às autoridades de Fukushima que proíbam a distribuição e o consumo de alguns tipos de verduras na província, afetada em sua costa leste por vazamentos radioativos de sua usina nuclear. A mesma medida foi requisitada à Província de Ibaraki.

Número de mortos

O número de vítimas do terremoto e tsunami que devastaram parte do Japão em 11 de março superou a marca de 24 mil mortos e desaparecidos, segundo o balanço mais recente da polícia. Segundo os dados, estão confirmadas 9.408 mortes. Além disso, 14.716 pessoas estão oficialmente desaparecidas e 2.746 ficaram feridas. Milhares de refugiados estão abrigados em instalações provisórias.

O governo japonês, no entanto, teme um aumento do número de vítimas. Esse é o maior desastre natural no Japão desde o terremoto de Kanto em 1923, que deixou 142 mil mortos.

*Com EFE, AFP e Reuters

    Leia tudo sobre: japãoterremototsunamiusina nuclearradiação

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG