Fujimori diz que ninguém conseguiu incriminá-lo por abusos

LIMA (Reuters) - O ex-presidente do Peru Alberto Fujimori disse na quarta-feira que, após um ano e três meses de julgamento, nenhuma testemunha pôde incriminá-lo como culpado de abusos aos direitos humanos, na primeira de suas intervenções prévias à sentença. Fujimori afirmou, além disso, que durante seus dez anos no poder devolveu a paz ao Peru combatendo o terrorismo e propiciou desenvolvimento econômico ao país.

Reuters |

"Ninguém pôde trazer nenhuma única prova que me condene e não puderam fazê-lo porque simplesmente não existem, porque, como eu disse desde o início, sou inocente!", afirmou Fujimori, 70 anos, perante os juízes.

O ex-presidente é julgado por "homicídio qualificado" pelo massacre de 25 pessoas, entre elas um menino, cometida por um esquadrão militar sob suspeita de que pertenciam à guerrilha. Ele também é acusado pelo sequestro de um empresário e de um jornalista opositores.

Os promotores pedem 30 anos de prisão para Fujimori. A sentença pode ser anunciada na semana que vem, colocando um fim a um dos mais importante processos da história peruana, segundo fontes judiciais.

(Reportagem de Marco Aquino, com reportagem adicional de Jean Luis Arce)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG