Fritzl pode ter planejado porão para filha desde 1978

A polícia austríaca disse nesta segunda-feira que Josef Fritzl pode ter planejado o porão onde manteve a filha por 24 anos a partir de 1978, quando Elisabeth tinha apenas 12 anos de idade. Segundo o chefe da polícia da Áustria Baixa, Franz Polzer, Frtizl entrou com um pedido para executar uma extensão da sua casa naquele ano.

BBC Brasil |

Polzer disse que isso mostra que Fritzl tinha uma "obsessão" antes mesmo de 1984, quando a filha foi encarcerada, e conseguiu enganar a família e outros ao redor dele.

Segundo a polícia, a parte da extensão que acabou servindo como cativeiro não era conhecida pelas autoridades.

Oito portas

A polícia também afirma que o local foi cuidadosamente elaborado por Fritzl.

O porão tinha pelo menos dois pontos de acesso, mas mesmo alguém que tivesse as chaves teria de abrir oito portas para chegar até o local.

Além disso, as três últimas portas tinham um mecanismo de fechamento eletrônico e uma era composta por 1,5 tonelada de ferro.

Polzer também disse acreditar que Fritzl não teve um cúmplice.

"Se você olha para as provas, Fritzl parece ter agido sozinho", afirmou o chefe da polícia. "Qualquer outra opinião é especulação. Nós podemos apenas dizer que o que esse homem fez é incompreensível."

A polícia também está investigando alegações de supostas vítimas que dizem ter sido estupradas por Fritzl entre 30 e 40 anos atrás.

Óculos de sol

Elisabeth e as crianças libertadas estão recebendo tratamento em uma mesma clínica.

O diretor do hospital, Berthold Kepplinger, disse que objetos como brinquedos e um aquário, com os quais eles estavam acostumados, foram levados ao local.

"A família está se comunicando novamente, e os que não se conheciam estão se conhecendo agora", disse Kepplinger. "As crianças arrumam a própria cama e todos conversam animadamente."

Segundo o diretor do hospital, os que eram mantidos no porão começam a se acostumar com a luz, mas Elisabeth e uma das crianças têm de usar óculos de sol.

Elisabeth vivia no porão com os três filhos mais velhos. Fritzl havia levado outros três filhos para viver com ele e a mulher, que diz que não sabia da existência do porão.

"O tempo deve ter passado muito devagar no porão", afirma Kepplinger. "Nós tentamos manter esse ritmo na clínica."

"As crianças que viviam na parte de cima da casa estão acostumadas com um ritmo de vida diferente e têm tido a oportunidade de realizar mais atividades", acrescentou o diretor. "A mãe precisar descansar de vez em quando, ela dorme uma soneca de tarde para se recuperar."

O estado de saúde da filha mais velha, Kerstin, de 19 anos, cuja ida ao hospital acabou revelando todo o caso, teria melhorado e se estabilizado, mas ela permanece em coma induzido.

'Mentalmente doente'

Promotores devem se encontrar pela primeira vez com Fritzl na próxima quarta ou quinta-feira.

Eles dizem que Fritzl passou por exames médicos físicos e mentais.

O advogado do acusado, Rudolf Mayer, disse no domingo que seu cliente não pode ir para a cadeia porque está mentalmente doente.

O diretor da prisão onde Fritzl está, Guenther Moerwald, disse à agência de notícias austríaca APA que ele é "um prisioneiro calmo, alerta e que não causa problemas".

Fritzl se recusa a realizar a rotina de exercícios. "Ele não quer sair da cela", disse Moerwald.

Josef Fritzl divide a cela com outro prisioneiro, e isso estaria funcionando bem, de acordo com o diretor da prisão.

Leia também:

    Leia tudo sobre: fritzlseqüestro áustria

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG