Frio na Europa provoca fechamento de aeroportos e problemas no trânsito

Redação Central, 7 jan (EFE).- Aeroportos fechados, atrasos e cancelamentos de voos, estradas e ferrovias bloqueadas e problemas no fornecimento de energia são algumas das consequências da onda de frio polar que castiga a Europa há dias e que hoje se estendeu aos países do sul do continente.

EFE |

O Reino Unido, com temperaturas de até 13 graus negativos em Manchester, há dias sofre com os efeitos da onda de frio, que provocou o cancelamento de voos, o fechamento de aeroportos e a suspensão das aulas em mais de 2.000 escolas em regiões da Escócia, do País de Gales e do sudeste da Inglaterra.

Por sua vez, a companhia aérea de baixo custo Easyjet se viu forçada a cancelar 70 voos com saída ou chegada no aeroporto de Gatwick (Londres), que hoje opera com normalidade, embora com inúmeros atrasos.

Também afetada, a British Airways cancelou e atrasou a saída e a chegada de aviões no Gatwick e no Heathrow, também em Londres.

Já os aeroportos britânicos de Southampton, Birmingham, Stansted, Cardiff e Luton reabriram depois de terem fechado ontem em função da neve.

O serviço ferroviário entre o Reino Unido e o continente também enfrentou problemas. Um trem vindo de Bruxelas que atravessava o Canal da Mancha com destino a Londres ficou parado durante duas horas a poucos quilômetros do fim do túnel subterrâneo.

Na França, onde 17 departamentos da região oeste estão em alerta, a neve provocou atrasos nos trens de alta velocidade e o trânsito nas estradas foi prejudicado.

No aeroporto parisiense de Orly, as operações ficaram suspensas durante boa parte da manhã porque as pistas estavam cobertas por até 15 centímetros de neve e, mesmo com o restabelecimento do tráfego aéreo, vários voos foram suspensos e outros sofreram atrasos.

Na Alemanha, o transporte é o setor mais afetado pela onda de frio, especialmente a navegação fluvial, já que vários rios e canais congelaram, como o Elba-Lübeck.

Ontem à noite, o frio provocou o bloqueio da estrada A-2 na altura de Magdeburgo, onde um caminhão capotou deixando sobre o asfalto 25 toneladas de creme de ervilhas.

Segundo a Comunidade Federal de Trabalho para Pessoas Desabrigadas, ao menos nove pessoas não identificadas morreram até agora na Alemanha por causa da onda de frio, que há semanas mantém a temperatura abaixo de zero. Na Polônia, as mortes registradas desde outubro passam de 120.

A maioria destas vítimas são sem-teto e e alcoólatras que morreram congelados.

Ainda na Polônia, as nevascas dos últimos dias dificultaram o trânsito nas principais estradas e provocaram atrasos generalizados nas ferrovias, especialmente na região oeste.

Na Holanda, o aeroporto de Amsterdã-Schiphol voltou hoje pouco a pouco à normalidade, ao reabrir todas as suas pistas. Os atrasos, porém, continuam, sobretudo nos voos procedentes e com destino ao Reino Unido e à Alemanha.

Já nas estradas, as dificuldades continuam, embora sejam bem menores que ontem, ao passo que algumas linhas de trem cancelaram a saída de trens.

Na vizinha Bélgica, os trens internacionais sofrem problemas e, diante das previsões de neve para o fim de semana, a companhia aérea Brussels Airlines ofereceu a seus clientes a opção de alterar gratuitamente os voos já reservados.

A onda de frio também chegou hoje ao sul da Europa. Na Espanha, os problemas se multiplicaram por causa das fortes chuvas e das nevascas, que hoje mataram uma idosa em Granada (sul).

O temporal que castiga quase todo o país causou problemas de trânsito em várias províncias, enquanto o tráfego na fronteira com a França ficou restrito em ambos os sentidos.

Por outro lado, o temporal deu uma trégua no leste da Europa, a ponto de as temperaturas aumentarem hoje em Belgrado (Sérvia) até 6 graus, enquanto enchentes ocorreram na Bósnia, na Hungria, na Macedônia e na Albânia.

Na Áustria, Viena amanheceu coberta por uma fina camada de neve, o que não atrapalhou a circulação de veículos.

Na República Tcheca, manteve-se a pouca neve que caiu durante o Natal, mas as temperaturas não estão excessivamente baixas. A Hungria, apesar de coberta de neve, não registra graves problemas nos transportes.

Na Romênia, onde as temperaturas oscilam entre zero e 10 graus positivos em Bucareste, na planície do sul, nas zonas montanhosas e no litoral, o dia foi ameno, assim como na Bulgária.

Na leste da Turquia, o frio foi considerável, chegando a 20 graus abaixo de zero, com fortes nevascas.

Enquanto isso, na Rússia, uma tempestade de neve castigou Moscou e complicou o funcionamento de todasas infraestruturas, mas sem afetar demais os habitantes, que comemoram o Natal ortodoxo. EFE int/sa-sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG