França: Suspeito foi morto por franco-atirador com tiro na cabeça

Franco-argelino Mohamed Merah, suspeito de ataques contra militares e escola judaica, é morto por polícia após 32 horas de cerco

iG São Paulo |

O promotor antiterrorismo da França, Francois Molins, disse nesta quinta-feira que o suspeito por três ataques mortais na área de Toulouse, sudoeste francês, foi morto com um disparo na cabeça feito por um franco-atirador quando tentava fugir ao pular da janela de seu apartamento. (Veja cronologia dos ataques e do cerco a suspeito na França)

O franco-argelino Mohamed Merah foi morto depois de um tiroteio de cinco minutos. "Fizemos tudo o que pudemos para prendê-lo com vida", disse Mollins, que também confirmou a informação de que ele gravou os três ataques . A autópsia no corpo será feita nesta tarde em Bordeaux.

No vídeo: 'Você matou meus irmãos, vou te matar', disse suspeito de ataque na França

AP
Oficiais da força de intervenção especial da França deixam área em Toulouse onde suspeito de ataques foi morto

Galeria de fotos: Veja imagens do terror na França

A morte foi o desfecho de um cerco policial e de uma negociação de 32 horas para capturar vivo Merah , 23 anos, suspeito de ataques contra militares e uma escola judaica e que alegou ter laços com a rede terrorista Al-Qaeda . Sete pessoas foram mortas na área de Toulouse em nove dias - três militares, um rabino e três crianças de uma escola judaica. De acordo com autoridades, Merah viajou para o Afeganistão e Paquistão para treinamento.

Discurso: Sarkozy anuncia medidas antiterroristas e punição para extremistas

Previamente, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, disse em um discurso televisionado que tudo havia sido feito para levar Merah à justiça, mas tomou-se a decisão de que mais vidas não poderiam ser postas em risco. "Tudo foi feito para levar o assassino à justiça, mas era inconcebível arriscar vidas... já houve muitas mortes", afirmou após um encontro com seus ministros de Defesa, Justiça e de Relações Exteriores.

De acordo com o promotor, o atirador saiu de seu banheiro quando a polícia entrou no apartamento na manhã desta quinta-feira, disparando cerca de 30 vezes com uma Colt 45 e pulando a janela. Merah continou disparando até "ser atingido por um disparo da Raid (polícia de elite), que o matou com um tiro na cabeça", contou.

Eleição: Ataques e cerco policial podem beneficiar candidatura de Sarkozy

Ele também acrescentou que o suspeito, que usava uma colete à prova de bala sob uma túnica, tinha coquetéis molotov e um estoque de munição disponíveis e houve um forte confronto antes de sua morte. Cinco membros do esquadrão de polícia francês ficaram feridos, afirmou, acrescentando que a polícia foi orientada a apenas disparar em autodefesa. De acordo com o jornal Le Monde, durante o cerco Merah disse aos negociadores que usou dinheiro de roubos para comprar as armas.

O promotor Molins confirmou que o suspeito filmou todos os três ataques e alegou ter colocado as gravações na internet. A polícia assistiu aos vídeos. No primeiro assassinato de um paraquedista, em 11 de março, escuta-se Merah dizendo " Você matou meus irmãos; vou te matar ". Quando assassinou dois outros paraquedistas quatro dias mais tarde na cidade vizinha de Montauban, ouve-se ele gritar na gravação: "Allahu Akbar", ou "Deus é grande!" em árabe.

Ministro francês: Suspeito diz que foi instruído por Al-Qaeda no Paquistão

O Grupo de Inteligência SITE, que monitora mensagens de internet, informou nesta quinta-feira que um grupo jihadista menos conhecido reivindicou a responsabilidade pelos ataques na França. SITE disse que o Jund al-Khilafah (Soldados do Califado, em livre tradução), um grupo que também anunciou ser autor de ataques prévios no Afeganistão e Casaquistão, divulgou uma declaração afirmando que o "Yusuf da França" (referindo-se a Merah) liderou um ataque na segunda, dia dos disparos contra a escola judaica. Não há confirmação independente da alegação.

Ouça em vídeo barulhos de disparo durante invasão policial:

O presidente Sarkozy disse que a investigação continua para verificar se o suspeito na série de ataques tinha algum cúmplice. De acordo com o promotor, Abdelkader, irmão de Merah preso na quarta-feira e que já havia sido relacionado a redes islâmicas iraquianas, ainda está sob custódia e sendo questionado sobre o caso. A mãe de Merah também está presa depois que seu computador tornou-se uma pista crucial para rastrear o suspeito . Molins também contou que a polícia conseguiu identificar o endereço de Merah na segunda-feira à noite e rastreou suas chamadas telefônicas.

Medidas antiterror

Em seu discurso na televisão, Sarkozy anunciou que franceses que visitam sites na internet que apoiam o terrorismo serão punidos por lei . "Aqueles que regularmente visitam 'websites que apoiam o terrorismo ou conclamam o ódio ou a violência serão punidos perante a lei", disse. O líder francês também prometeu reprimir aqueles que vão ao exterior com "os propósitos de doutrinação na ideologia terrorista".

O presidente apelou para que os franceses não confundam terrorismo e islamismo. Os muçulmanos franceses "não têm nenhuma relação com a motivação maluca de um terrorista", disse referindo-se aos 5 milhões de muçulmanos do país, a maior comunidade na Europa ocidental.

AP
Bombeiros franceses partem após ação policial contra suspeito de ataques contra militares e escola judaica em Toulouse
De acordo com a polícia, durante as horas de negociação na quarta-feira, Merah admitiu sentir orgulho dos sete assassinatos. Acredita-se que eles sejam os primeiros com inspiração radical islâmica na França desde os ataques do 11 de Setembro nos EUA.

*Com AP e BBC

    Leia tudo sobre: françatoulouseescola judaicajudeus

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG