França só decide se envia mais tropas ao Afeganistão em janeiro

Paris, 16 dez (EFE).- A França anunciou hoje que não enviará reforços para o Afeganistão dado o estado atual das coisas, mas não descarta dedicar meios militares suplementares após a conferência sobre o país que será realizada em Londres no dia 28 de janeiro.

EFE |

O ministro de Assuntos Exteriores francês, Bernard Kouchner, afirmou que a França atualmente "cumpre" com sua missão nesse país, que resumiu em "regionalização, 'afeganização' e reconciliação".

Para isso, conta com ao redor de 3.400 soldados.

"No estado atual das coisas, não temos necessidade de reforçar nossas tropas", acrescentou Kouchner durante um debate na Assembleia Nacional sobre a situação no Afeganistão.

No entanto, o ministro da Defesa da França, Hervé Morin, disse que o Governo contempla três "opções", entre elas o envio de "meios militares suplementares" após a conferência de Londres.

Participarão do encontro de Londres os 43 países que integram a Isaf, a força internacional da Otan no Afeganistão, assim como os vizinhos do país e instituições estrangeiras.

A reunião servirá para pressionar o presidente afegão, Hamid Karzai, que também estará na reunião, a cumprir uma série de objetivos.

Kouchner também anunciou que haverá em junho de 2010 uma "conferência ministerial" em Cabul para fazer um balanço sobre os compromissos adquiridos pelo presidente Karzai, reeleito em novembro deste ano.

O objetivo desta segunda reunião será "solicitar às autoridades afegãs um Mapa de Caminho" com os compromissos de Karzai para os próximos cinco anos.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou recentemente o envio de mais 30 mil soldados ao Afeganistão e incentivou seus aliados a fazerem o mesmo.

Ontem, o Governo francês expulsou nove imigrantes ilegais afegãos do país, em atitude criticada pela oposição e pelas associações de apoio aos refugiados. EFE jaf/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG