tempestade Xynthia, que matou 53 pessoas. Os moradores que serão obrigados a deixar suas residências serão informados nesta quinta-feira pelas autoridades municipais." / tempestade Xynthia, que matou 53 pessoas. Os moradores que serão obrigados a deixar suas residências serão informados nesta quinta-feira pelas autoridades municipais." /

França remove mais de mil famílias de área de risco após enchente

O governo francês anunciou que demolirá de cerca de 1,4 mil casas em áreas sujeitas a inundações no oeste do país após a catástrofe causada, no final de fevereiro, pela http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2010/03/04/temporal+xynthia+deixou+53+mortos+e+79+feridos+na+franca+9416613.htmltempestade Xynthia, que matou 53 pessoas. Os moradores que serão obrigados a deixar suas residências serão informados nesta quinta-feira pelas autoridades municipais.

BBC Brasil |

Cerca de 798 casas na região da Vendée e 595 na Charente Maritime, na costa Atlântica, as mais afetadas pela tempestade, serão totalmente destruídas porque estão situadas em zonas de "extremo perigo", anunciou na quarta-feira o porta-voz do governo francês, Luc Chatel.

"Não é aceitável deixar os habitantes se reinstalarem nessas moradias. Essas áreas devem voltar ao seu estado natural", declarou o porta-voz.

AFP
Entulhos se aglomeram em frente de cada em Faute-sur-Mer na quarta-feira

Entulhos em frente de cada em Faute-sur-Mer na quarta-feira


As casas haviam sido construídas em zonas de risco com todas as autorizações necessárias das autoridades municipais, o que causou grande polêmica na França após a catástrofe e provocou debates sobre a especulação imobiliária nessa região do litoral.

No vilarejo de La Faute-sur-Mer, um dos mais afetados pela tempestade Xynthia, quase um quarto do munícipio será totalmente destruído.

Xynthia

A tempestade Xynthia provocou ventos que chegaram a 160 km/hora em diferentes partes do país.

As regiões da Vendée e da Charente Maritime foram as mais afetadas porque os fortes ventos ocorreram, simultaneamente, no momento em que a maré estava no seu nível mais alto do ano nessas áreas.

Vários diques da região se romperam durante a tempestade. Como na enchente no Rio de Janeiro, as inundações ocorreram durante a madrugada e muitos moradores não tiveram tempo de deixar suas casas e morreram afogados.

A destruição das cerca de 1,4 mil casas nas regiões da Vendée e da Charente Maritime será feita "por acordo amigável de aquisição ou por expropriação", no caso dos que se recusarem a sair, afirmou o porta-voz do governo.

A indenização a ser recebida é a principal preocupação dos moradores e já provoca vários debates na França.

Por medida de precaução, as reuniões, nesta quinta-feira, que vão informar os habitantes que terão suas casas destruídas, terão reforço policial.

AFP
Franceses esperam início de reunião em que serão informados se suas casas serão destruídas

Populares esperam reunião em que serão informados de demolições


O governo francês pediu a realização de um estudo para determinar as causas da catástrofe e apontar os responsáveis. A tempestade causou prejuízos de 1,2 bilhões de euros, segundo a Federação Francesa das Empresas de Seguros.

'Áreas negras'

As casas destruídas se situam em 16 "áreas negras" definidas pelo governo após a tempestade, ocorrida na noite de 28 de fevereiro.

O governo francês realizou uma cartografia de zonas declaradas inabitáveis, onde não será mais possível realizar nenhum tipo de construção. A medida foi tomada após a polêmica sobre a urbanização intensiva para desenvolver as atividades turísticas dessas regiões litorâneas.

Estudos realizados em 2001 pelas autoridades regionais da Vendée já apontavam riscos de inundações em determinadas áreas. Segundo a imprensa francesa, os prefeitos foram alertados, mas não tomaram medidas.

Leia mais sobre França

    Leia tudo sobre: frança

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG