França pede que não haja mudanças nas relações com China

Paris, 7 dez (EFE).- O Governo da França espera que sua relação com a China se mantenha nos termos atuais, apesar do mal-estar gerado em Pequim após o encontro do chefe do Estado Nicolas Sarkozy com o dalai lama.

EFE |

"O presidente da República tinha se comprometido" a ver o líder espiritual do Tibete e sempre cumpre com suas palavras, disse hoje a ministra de Economia da França, Christine Lagarde, em alusão à reação das autoridades chinesas perante o encontro de sábado entre Sarkozy e o dalai lama.

Em declarações à rede de televisão pública "France 2", Lagarde deixou claro que o Executivo francês espera que a relação com a China "continue" e que as trocas comerciais entre os dois países não se sejam afetadas por boicotes aos produtos franceses.

"Há muitas empresas francesas estabelecidas na China e acho que interessa a todos que a relação continue", apesar do que as autoridades chinesas consideram um "pequeno incidente", ressaltou a ministra.

A declaração da ministra francesa não coincide com a da Chancelaria chinesa, cujo porta-voz, Liu Jianchao, assinalou hoje em comunicado que a reunião entre Sarkozy e o dalai lama supõe uma "grave intromissão" nos assuntos internos da China. EFE pi/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG