Paris, 14 fev (EFE).- As autoridades francesas pediram hoje discrição no caso dos dois jornalistas franceses sequestrados no Afeganistão no final do ano passado, depois que circularam informações sobre um vídeo dos reféns.

"Nesse tipo de situação, pede-se discrição em prol das famílias de nossos dois compatriotas e em interesse da própria segurança deles", declarou o Ministério de Assuntos Exteriores em comunicado.

O Ministério insistiu que desde a captura dos dois jornalistas da rede pública de televisão "France 3" em 30 de dezembro, "os serviços do Estado estão plenamente mobilizados e fazem o possível para conseguir a libertação".

O comunicado também reiterou a condenação do sequestro e insistiu que tomar como reféns "jornalistas que cumprem a indispensável missão de informações no Afeganistão é inaceitável".

No mês passado, a captura dos jornalistas foi objeto de polêmica em meio às declarações em privado do presidente francês, Nicolas Sarkozy. Ele criticou que as forças francesas fossem a uma região perigosa do Afeganistão e corressem riscos para tentar libertar os reféns.

Os jornalistas foram sequestrados por um grupo armado quando viajavam de carro pelo noroeste do país, entre os vales de Surobi e Kapisa, onde se concentra a maior parte das tropas francesas que atuam no país.

O ministro de Exteriores francês, Bernard Kouchner, tentou encerrar a polêmica. No último dia 8, ele anunciou que se tinha estabelecido contato indireto com os seqüestradores. Kouchner pediu então discrição para que as negociações pudessem se desenvolver "no mais absoluto segredo". EFE ac/sa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.