França nega existência de condições para presença de Sarkozy em Jogos de 2008

Paris, 5 abr (EFE).- A secretária de Estado de Direitos Humanos francesa, Rama Yade, negou hoje ter falado em uma entrevista ao jornal Le Monde sobre condições para a presença do presidente do país, Nicolas Sarkozy, na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim.

EFE |

Em comunicado divulgado esta tarde, Yade afirma que "a palavra 'condições' não foi usada" na entrevista ao "Le Monde".

Segundo a entrevista, publicada hoje, a secretária de Estado enumerou as reivindicações do chefe de Estado: o "fim da violência contra a população e a libertação dos prisioneiros políticos, o fim da censura sobre os eventos tibetanos e a abertura do diálogo com o dalai lama".

No comunicado emitido posteriormente, Yade disse que tem dado atenção a "expressar a posição da França em termos precisos" tal como fez, segundo ela, "desde o início da crise no Tibete".

"O presidente da República declarou que todas as opções estão abertas, que se pronunciará no momento certo, em função da evolução da situação no Tibete, sobre sua participação na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos", conclui a nota da secretária de Estado.

Yade declarou na entrevista que Sarkozy tomará sua decisão "em função da evolução dos eventos" e se expressará "após consultar" seus parceiros europeus, já que no segundo semestre "falará como presidente em exercício da União Européia" (UE).

Logo em seguida, a secretária de Estado francesa complementou dizendo que "três condições são indispensáveis" para que o chefe de Estado do país compareça à cerimônia. EFE al/bba/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG