França estima 3 anos para integração plena na Otan

Paris, 15 mar (EFE).- O Governo francês estima que precisará de um prazo de três anos para sua integração plena na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), decisão anunciada esta semana pelo presidente da França, Nicolas Sarkozy.

EFE |

O ministro da Defesa francês, Hervé Morin, disse hoje que, para que a França se transforme na "cabeça e pernas" da Aliança terá que haver esse prazo de tempo, depois que Sarkozy antecipou que Paris se integrará no comando militar da Otan.

Em declarações à rádio "Europe 1", Morin afirmou: "ganharemos com isso, porque hoje somos as pernas da Otan, mas não estamos em sua cabeça, e o que queremos ser é tanto a cabeça quanto as pernas".

Morin lembrou que a França "é o quarto maior contribuinte financeiro e em soldados à Aliança, participamos de todas as operações da Otan desde 1995 e as dirigimos no Afeganistão ou no Kosovo".

Sarkozy anunciou na quarta-feira passada que o retorno da França ao comando militar da Otan é um passo necessário que não afetará a independência de Paris em questões-chave como a dissuasão nuclear ou o envio de tropas.

Os deputados franceses votarão sobre o retorno da França ao comando integrado em uma sessão prevista para a próxima terça-feira, e deve ser definitivo durante a cúpula da Otan que será realizada em 3 e 4 de abril em Estrasburgo (França) e Kehl (Alemanha). EFE jam/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG