França e Inglaterra pedem a governo egípcio que "escute o povo"

Ministros dos dois países deram declarações em que aconselham ao presidente do Egito que faça reformas solicitadas pela população

iG São Paulo |

Após quase uma semana de protestos no Egito, representantes de países europeus pedem que o governo do país ceda a pressão popular e faça as reformas exigidas pelo fim da violência. O primeiro-ministro francês, François Fillon disse que "o povo egípcio é quem decide" e o ministro britânico de Assuntos Exteriores, William Haguechanceler pede que o presidente do país em conflito, Hosni Mubarak, dialogue com seu povo.

"Ninguém pode aceitar esta onda de violência. É necessário que se instaure o diálogo e que as reformas que o presidente Mubarak prometeu comecem", disse o primeiro-ministro francês, François Fillon, em declarações divulgadas pela emissora "France Info".

O representante francês se mostrou "extremamente preocupado" pela situação, mas disse confiar que "não dure muito" e considerou também que a decisão sobre o futuro do país está nas mãos da população egípcia. "Tudo que temos a dizer ao Governo egípcio é que escute as reivindicações. (...) É necessário que as reformas anunciadas se apliquem", sustentou Fillon, acrescentando que  "o Egito é um grande país que tem muito peso na estabilidade do Oriente Médio".

Enquanto isso, o ministro britânico de Assuntos Exteriores, William Hague, insistiu neste sábado que  Mubarak "escute urgentemente" os manifestantes que desde terça-feira protestam contra seu regime.

"Continuamos profundamente preocupados perante o nível de violência que presenciamos nos últimos dias e pedimos ao Governo que seja comedido e aos egípcios que reivindiquem suas queixas legítimas de forma pacífica", afirmou Hague em comunicado. Ele lembrou que Mubarak "falou de seu compromisso para adotar novos passos para uma maior democracia e para a liberdade dos cidadãos" e pediu que agora "escute com urgência as aspirações expressadas pelos egípcios".

*com informações da EFE

    Leia tudo sobre: EgitoMubarakHaguefillonrepercussão internacional

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG