França e Espanha enaltecem operações policiais contra ETA

Por James Mackenzie PARIS (Reuters) - Uma série de prisões e apreensões de armas na França nas últimas semanas representou um duro golpe ao grupo separatista basco ETA, mas os militantes ainda representam uma ameaça, afirmaram autoridades francesas e espanholas na quarta-feira.

Reuters |

Neste mês, a polícia francesa prendeu três suspeitos de pertencer ao ETA, armados, em uma estação de esqui. Em seguida, descobriu 12 esconderijos de armas e explosivos em regiões isoladas do sul da França.

"Esses achados privam o ETA de um arsenal," disse a jornalistas o ministro do Interior francês, Brice Hortefeux, após uma reunião em Paris com o ministro do Interior espanhol, Alfredo Perez Rubalcaba.

Outras operações bem-sucedidas são aguardadas para os próximos dias, afirmou ele, sem fornecer detalhes.

Rubalcaba elogiou a cooperação entre os serviços de segurança franceses e espanhóis.

"Isso nos permitirá resolver esse problema muito em breve, que é o problema mais significativo enfrentado pela Espanha neste momento: o problema do ETA," afirmou ele.

Mas o grupo militante ainda representa uma ameaça, disse. "Não podemos baixar a nossa guarda."

Centenas de quilos de explosivos, 15 bombas do tipo usado em explosões de carro, 18 pistolas e milhares de munições, assim como placas roubadas e documentos administrativos, foram descobertos.

No mês passado, o ETA comemorou o aniversário de 50 anos de sua fundação secreta durante a ditadura de Franco. Mas a organização, a quem se atribui a responsabilidade por cerca de 800 mortes ao longo de décadas, foi enfraquecida pela prisão de líderes e por uma diminuição no apoio político.

Os militantes do ETA há muito tempo buscam refúgio no lado francês do País Basco, mas recentemente ampliaram sua área no norte e no leste da França.

Autoridades de segurança afirmaram que o ETA foi forçado a mudar de tática, pois as prisões diminuíram suas fileiras e ele parece ter se tornado mais flexível, com uma organização menor.

"Eles aproveitaram as lições das prisões feitas no passado. Eles colocaram um fim a estruturas que mantinham por anos e anos," disse Anne Kostomaroff, chefe da seção de antiterrorismo do Ministério Público.

Ataques recentes, no entanto, incluindo os da cidade espanhola de Burgos e da ilha de Mallorca, mostra que ele ainda é capaz de executar operações.

Hortefeux disse que 172 membros ou associados do ETA estão atualmente presos na França e ele afirmou que as últimas apreensões sugerem que a organização ainda representa uma ameaça.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG