Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

França e Alemanha fecham acordo para redução de emissão de CO2 dos carros

França e Alemanha chegaram a um acordo sobre a redução das emissões de CO2 dos carros, anunciou nesta segunda-feira a chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês Nicolas Sarkozy, na conclusão de uma reunião em Straubing (Baviera, sul da Alemanha).

AFP |

Uma cúpula informal e um conselho de ministros conjunto ocorreu nesta cidade do vale do Danúbio, pela tarde. Ambos foram preparações da presidência francesa da UE que irá começar em julho.

Na coletiva de imprensa final, Merkel e Sarkozy reiteraram sua unidade e anunciaram um sucesso inesperado em um dos temas mais controversos das discussões, que para a Alemanha, na semana passada, era improvável de ser solucionada.

"Um importante avanço", comentou a chanceler sobre o acordo franco-alemão, que possui grandes implicações para as indústrias automobilísticas dos dois países.

Merkel anunciou ainda que os dois países apóiam o objetivo da Comissão Européia de obrigar os construtores automobilísticos a reduzir até uma média de 120 gramas por quilômetro a emissões de CO2 (dióxido de carbono) dos carros até o ano de 2012.

A Alemanha, produtor de automóveis de grande porte, mais poluentes do que os pequenos modelos franceses ou italianos, partia do princípio de que todos os tipos de carros - pequenos, médios e grandes - deviam contribuir para a redução dessas emissões. Sarkozy e Merkel também assinalaram sua união em relação ao pacote de medidas climáticas em vistas de um "acordo político" no Conselho e Parlamento Europeus durante a presidência francesa da UE.

O presidente francês pediu ainda que os países da UE encontrem uma posição na cúpula de Bruxelas da próxima semana, para enfrentar o "golpe sem precedentes" do aumento de preços do petróleo.

"Já expliquei minha proposta. É necessário que os governos de todos os países reflitam sobre ela", acrescentou Sarkozy em referência a sua recente proposta de limita o Imposto de Valor Agregado (IVA) sobre os produtores petroleiros que não foi muito bem recebido pelos colegas europeus.

ab/pmr/cn-fb

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG