Paris, 18 jan (EFE).- O Governo francês anunciou hoje uma doação de 10 milhões de euros à ONU em resposta a seu pedido de apoio para reforçar a ajuda destinada às vítimas do terremoto que destruiu parte do Haiti.

"A França decidiu responder à chamada de urgência para o Haiti lançada pelas Nações Unidas na sexta-feira passada com uma contribuição de 10 milhões de euros", anuncia o Ministério de Assuntos Exteriores francês, em um breve comunicado.

Esta quantia será destinada, acrescenta a nota, à população haitiana "duramente castigada" pelo terremoto do dia 12 de janeiro.

A França se junta, assim, à lista de países que já deram resposta à chamada da ONU, cujo Conselho de Segurança se reúne hoje para tentar coordenar os trabalhos de emergência no país caribenho.

Na opinião do secretário de Estado de Cooperação francês, Alain Joyandet, a ONU deve precisar o papel dos Estados Unidos na ajuda humanitária ao Haiti, porque "não se trata de ocupar o país, mas de ajudá-lo a recuperar a vida".

O diplomata francês fez estas declarações à emissora "Europe 1", logo após retornar do Haiti, onde o avião no qual viajava teve problemas para aterrissar no aeroporto de Porto Príncipe, controlado pelos americanos.

O terremoto de 7 graus na escala Richter aconteceu às 19h53 de Brasília da terça-feira passada e teve epicentro a 15 quilômetros da capital haitiana, Porto Príncipe. O Governo do país caribenho confirmou que pelo menos 70 mil corpos já foram enterrados.

Na quarta-feira passada, o primeiro-ministro do país, Jean Max Bellerive, tinha falado em "centenas de milhares" de mortos.

O Exército brasileiro confirmou que pelo menos 15 militares do país que participam da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah) morreram em consequência do terremoto.

A médica Zilda Arns, fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, e Luiz Carlos da Costa, o segundo civil mais importante na hierarquia da ONU no Haiti, também morreram no tremor. EFE pi/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.