França desmente repatriação de crianças haitianas em processo de adoção

Paris, 16 jan (EFE).- O Governo francês desmentiu hoje as informações publicadas por alguns veículos de comunicação segundo as quais teria iniciado a repatriação de crianças haitianos em processo de adoção por parte de famílias francesas.

EFE |

"Não foi colocada a repatriação do conjunto de menores haitianos em processo de adoção por candidatos franceses", diz uma declaração divulgada hoje pelo Ministério de Assuntos Exteriores francês.

O serviço de adoção internacional do Ministério, acrescenta a nota, "está plenamente mobilizado" para ajudar na crise vivida pelo Haiti após o terremoto que destruiu grande parte do país.

A explicação do Executivo francês foi divulgada após a reunião de hoje entre membros do alto escalão governamental com representantes dos organismos autorizados a tramitar adoções internacionais.

Assim que a situação permitir, o serviço francês de adoção internacional, em coordenação com as associações competentes e as famílias, procederá ao exame dos pedidos de adoções apresentados, conclui o comunicado.

O terremoto de 7 graus na escala Richter aconteceu às 19h53 de Brasília da terça-feira e teve epicentro a 15 quilômetros de Porto Príncipe, a capital do país. A Cruz Vermelha do Haiti estima que o número de mortos ficará entre 45 mil e 50 mil.

Na quarta-feira, o primeiro-ministro do país, Jean Max Bellerive, havia falado de "centenas de milhares" de mortos.

O Exército brasileiro confirmou que pelo menos 14 militares do país que participam da Minustah, a missão de paz da ONU no Haiti, morreram em consequência do terremoto.

A brasileira Zilda Arns, fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, ligada à Igreja Católica, também morreu no tremor.

Diferente dos dados do Exército, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, aumentou hoje o número de mortos para 17 - considerando as mortes de Luiz Carlos da Costa, funcionário da ONU, e de outro brasileiro que não identificou -, segundo informações da "Agência Brasil". EFE pi/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG