França começa a julgar 11 acusados de integrar ETA

PARIS - O Tribunal Especial Criminal de Paris começou a julgar 11 acusados de fazer parte do aparelho logístico da organização terrorista ETA, entre os que está os quais Félix Ignácio Espalhe Luri, apontado como seu chefe.

EFE |

O processo se concentrará no período que vai desde quando, segundo a acusação, Luri assumiu o comando da estrutura logística, após a detenção em setembro de 2001, Asier Oyarzabal, até ele mesmo ser capturado, em 2 de abril de 2004 em Saint Paul de Dax.

Já condenado na França há 17 anos de prisão, em novembro de 2006, Luri é o único dos 11 que responderá por extorsão, por cobrar o chamado "imposto revolucionário" - pagamento forçado de dinheiro ao ETA - de empresários. Outros oito respondem receptação de extorsão.

Todos os 11 respondem por integrar organização terrorista, porte ilegal de armas e explosivos, receptação de carros roubados e uso de documentação falsa, entre outras acusações, todas com o agravante de serem cometidos com fins terroristas.

O ponto de partida para desmantelar toda esta estrutura foi a detenção na França, em 22 de janeiro de 2003, da mulher e mais estreita colaboradora de Luri, Laurence Guimon, junto com outro integrante do grupo, Ismael Berasategui, numa casa de campo em Estialescq, na região de Bearn, próxima ao País Basco francês.

Lá, foi encontrada abundante documentação interna da organização terrorista e a contabilidade de Luri da estrutura logística, elementos que contribuíram para desmantelar três de suas células.

Leia mais sobre ETA

    Leia tudo sobre: eta

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG