O presidente da França, Nicolas Sarkozy, anunciou nesta quinta-feira a criação de um novo imposto sobre a emissão de dióxido de carbono, um dos gases que provocam o efeito estufa. Com a medida, a França passa a ser a primeira grande economia do mundo a introduzir o imposto.

Ele será introduzido gradativamente no ano que vem e vai incidir sobre petróleo, gás e carvão, disse Sarkozy. O governo deverá cobrar 17 euros (o equivalente a cerca de R$ 45) por tonelada de dióxido de carbono (CO2) emitida.

O imposto se aplicará a residências e a empresas, mas não a indústrias pesadas e do setor energético que estão incluídas no esquema de comércio de emissões da União Europeia.

Sarkozy disse que os recursos arrecadados com o novo imposto deverão beneficiar os contribuintes através da redução de outros impostos e de "cheques verdes", para investimentos em iniciativas ecológicas.

Os planos para o novo imposto sobre as emissões de dióxido de carbono já enfrentam forte oposição de políticos de várias tendências.

Segundo o jornal francês Le Monde, o imposto vai cobrir 70% das emissões no país e trazer 4,3 bilhões de euros (o equivalente a cerca de R$ 11,4 bi) para os cofres públicos a cada ano.

Sarkozy insiste que o novo imposto tem o objetivo de persuadir os franceses a mudarem seus hábitos e reduzirem o consumo de energia, disse a correspondente da BBC em Paris, Emma Jane Kirby.

Na prática, o imposto aumentará os custos dos lares franceses com aquecimento e aumentará o preço dos combustíveis.

Críticos da iniciativa dizem que ela é apenas um truque para melhorar o mau estado das finanças públicas.

Dois terços dos eleitores franceses dizem que se opõem ao novo encargo, pois temem encontrar dificuldade para pagar contas mais altas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.