França afirma que crise na RDC não deve ter solução militar

Marselha (França), 3 nov (EFE).- O ministro de Assuntos Exteriores da França, Bernard Kouchner, afirmou hoje que a crise humanitária na República Democrática do Congo (RDC) deve ser política e nunca militar.

EFE |

Em entrevista coletiva após a reunião que os ministros de Relações Exteriores da UE realizaram hoje em Marselha, Kouchner pediu "determinação política" da comunidade internacional para interromper "uma situação humana terrível".

O ministro francês, que junto com seu colega britânico, David Miliband, esteve na RDC no último fim de semana, afirmou que nesta "solução política", que na sua opinião "levaria tempo", deveriam participar as entidades internacionais (União Africana, UE e ONU) e pelo menos três países da região (Congo, Burundi e Ruanda).

Kouchner disse que as forças da ONU no Congo contam com 17 mil soldados - o maior número de todas as missões da ONU na África - e que apenas por isto "é difícil falar de solução militar" e do envio de um maior número de soldados.

Mostrou-se partidário de "aumentar a eficácia" do contingente e de "esclarecer as regras de atuação".

"Não pode haver uma solução militar para o conflito, mas sim pode-se garantir as vias de comunicação para o transporte da ajuda humanitária", declarou Kouchner.

Javier Solana, representante da política externa da UE, afirmou na entrevista coletiva que "é necessário ver as prioridades" e que é necessário levar adiante uma "iniciativa política".

Kouchner e Miliband solicitaram ontem, durante sua viagem pelo Congo, ajuda humanitária "urgente" para a região leste da RDC e pediram o reforço da MONUC, mas não reivindicaram uma força européia para colaborar com a da ONU.

Na conflituosa região do Kivu Norte, que tem cerca de 6 milhões de habitantes, há cerca de 1,2 milhão de deslocados de seus lares pela violência.

Na RDC, desde 1998 organizações internacionais calculam que cerca de cinco milhões e meio de pessoas morreram por esta razão, o que representa cerca de 45.000 por mês. EFE lab/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG